Líderes do PT no alvo da Justiça

Patrícia Auth
Patrícia Auth é jornalista formada pela Univali de Itajaí/SC. Trabalhou em impressos, como o Jornal de Santa Catarina, e também, como repórter na Rede Record e RBS TV. É casada, mãe da Lívia e adoradora de boa música e gastronomia.Na equipe EuQueroInvestir, é responsável pela produção de vídeos, e também escreve e edita artigos para o site.Entre em contato com a Patrícia pelo e-mail: patricia.auth@euqueroinvestir.com
1

Foto: img-capa

Nos últimos meses, raros são os dias em que o PT não aparece em algum noticiário. Nesta quinta-feira, dia 17, teve notícia dupla envolvendo líderes do partido. Notícias essas, nem um pouco positivas.

Falando em Lula…

O juiz federal Haroldo Nader concedeu a liminar suspendendo de imediato os benefícios que Luiz Inácio Lula da Silva tinha garantidos por ser ex-presidente da República. Lula, que está na sede da Polícia Federal desde 7 de abril, perdeu segurança, motorista, veículos e o cartão corporativo. O magistrado entendeu que ele não precisa mais de todo esse “aparato”, já que está preso.

[box type=”warning” align=”” class=”” width=””]”Lula está sob custódia do Estado, em sala individual, ou seja, sob proteção da Polícia Federal, que lhe garante muito mais segurança do que tivera quando livre, com alguns agentes a acompanhar-lhe aonde fosse”, diz a decisão do juiz.[/box]

A ação popular foi movida pelo advogado Rubens Nunes, em causa própria. Nunes não questiona a lei que garante direitos a ex-presidentes, mas sim, a manutenção dos benefícios ao ex-presidente preso.

A defesa de Lula diz que vai recorrer da decisão, alegando que o ex-presidente precisa do apoio pessoal que lhe é assegurado por lei.

Antes de continuar lendo a notícia, que tal descobrir se você é um investidor conservador, moderador ou agressivo?

[banner id=”teste-perfil”]

Falando em Gleisi Hoffmann…

Para a senadora Gleisi Hoffmann, o problema é maior. A Polícia Federal encaminhou nesta quinta-feira (17) ao ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF), o relatório final da investigação envolvendo a atual presidente do Partido dos Trabalhadores.

O inquérito apontou claras evidências de que Gleisi recebeu R$ 885 mil de um esquema de corrupção alvo da Lava Jato. Por isso, segundo a PF, ela pode ser enquadrada nos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e falsidade ideológica.

Quatro repasses, de acordo com a investigação, estão ligados a empresa Consist, investigada na operação Custo Brasil, desdobramento da Lava Jato. O quinto repasse, no montante de R$ 300 mil, teria como origem a empresa TAM Linhas Aéreas.

A defesa da senadora Gleisi Hoffmann, disse que não teve acesso ao conteúdo conclusivo do inquérito.