Líderes anticorrupção veem racha da direita e erosão de apoio a Bolsonaro

Daniele Andrade
Jornalista formada pela Universidade Positivo, pós-graduada em Mídias Digitais. Atualmente cursa bacharel em História. Gosta de produzir reportagens sobre política tanto nacional quanto internacional, economia e tecnologia.
1

Crédito: Carolina Antunes/Agência Brasil

A recente saída do ex-juiz Sérgio Moro do governo Bolsonaro ampliou o conflito entre lava-jatistas e bolsonaristas. Os movimentos que foram às ruas pedir por mudanças na política em 2013, atualmente estão divergindo sobre a relação do atual governo. As informações são do portal Uol.

Muitos enxergam a situação como um desgaste na gestão, além de um “racha” na direita brasileira. Moro solicitou demissão, após Bolsonaro pedir a saída de Maurício Valeixo do cargo de diretor-geral da PF. Segundo Moro, o presidente interveio politicamente na Polícia Federal.

Opiniões a respeito do governo Bolsonaro

Rogério Chequer, líder do movimento “Vem Pra Rua”, um dos mais famosos nos protestos de 2013, comentou sobre a situação: “O que ele [Moro] falou é gravíssimo, e se provado constitui crime de responsabilidade de Bolsonaro. A sequência de atos pode se constituir também crime de responsabilidade. O que aconteceu hoje [ontem] separa os mais radicais dos razoáveis, que estão dando vários passos para trás. Essas pessoas, sim, ficam agora absolutamente desiludidas. O apoio popular diminui, e o governo fica cada vez mais insustentável”. Atualmente, Chequer é filiado ao Partido Novo.

A perda de apoio, a qual Cocher comentou, já não é uma novidade entre os líderes do Movimento Brasil Livre (MBL). Em 2019, o grupo retirou seu apoio ao governo de Jair Bolsonaro. O vereador Fernando Holiday (Patriota-SP), vê na figura do presidente um traidor, segundo informações do Uol. 

“Bolsonaro é o maior traidor que a direita poderia ter nos últimos tempos. As acusações do Moro nas declarações indicam crimes de responsabilidades. Não nos resta outra coisa a não ser averiguar e considerar o impeachment. A direita foi rachada de vez”, afirmou o vereador Holiday. 

Uma das formas mais eficientes de identificarmos o nosso perfil de investidor, é realizando um teste de perfil.

Você já fez seu teste de perfil? Descubra qual seu perfil de investidor! Teste de Perfil

Já Carla Zambelli, uma das ativistas com grande notoriedade nos protestos de 2013 mantém o apoio a Bolsonaro. “A situação como um todo me deixa muito triste. Mas não comentarei as declarações do Moro. Fico triste com a saída dele. Era uma pessoa extremamente importante para o governo. Um pilar do governo Bolsonaro. De todo jeito, com a saída dele, o governo tem que continuar. Como parlamentar da base do governo meu trabalho vai seguir”, comentou Zambelli.

LEIA MAIS

Saída de Moro gera grave quebra de credibilidade no governo

Demissão de Moro deixa militares “chocados”