Levantamento da Boa Vista mostra queda de 6,2% na demanda por crédito em maio ante abril

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Reprodução/iStock Photos

A Boa Vista Serviços divulgou relatório nesta quinta-feira (25) revelando que a demanda por crédito do consumidor recuou 6,2% em maio na comparação com abril.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente para acompanhar a MoneyWeek!

No acumulado do ano o indicador caiu 15,9% contra o mesmo período do ano passado.

No acumulado de 12 meses, o índice despencou de vez para o negativo, com queda de 5,7% no período.

Os números apresentados já têm descontadas as influências sazonais, de acordo com dados nacionais da instituição.

Financeiro

O segmento Financeiro, um dos que compõem o indicador também passou para o campo negativo.

Os benefícios de se ter um assessor de investimentos

A retração em 12 meses foi de 1%, enquanto o segmento Não Financeiro teve queda de 8.9% no mesmo período.

O resultado de maio ratifica o fim da trajetória de estabilidade que a demanda por crédito vinha apresentando até o início do ano.

Ele também acaba sendo um reflexo causado pela pandemia de coronavírus, refletindo uma consistente piora na avaliação sobre o movimento da atividade econômica no cenário atual.

As influências

Segundo a Boa Vista, o desempenho do indicador foi influenciado pelos dois segmentos, com destaque para a terceira queda mensal consecutiva do setor Financeiro, que antes costumava apresentar sólidas taxas de crescimento.

Além disso, ainda é esperada uma piora nas perspectivas sobre o consumo e o mercado de trabalho nos próximos meses por conta da pandemia.

Esses fatores têm possibilidade de continuar afetando negativamente a demanda por crédito nesse período.

O cálculo da Boa Vista

De acordo com a Boa Vista, o indicador de Demanda do Consumidor por Crédito é elaborado a partir da quantidade de consultas de CPF à base de dados da agência por empresas.

Dúvidas sobre como investir? Consulte nosso Simulador de Investimentos

As séries têm como ano base a média de 2011 = 100 e passam por ajuste sazonal para avaliação da variação mensal.

A partir de janeiro de 2014, houve atualização dos fatores sazonais e reelaboração das séries dessazonalizadas, utilizando o filtro sazonal X-12 ARIMA, disponibilizado pelo US Census Bureau, explicou a empresa.

Planilha de ações: baixe e faça sua análise para investir