Latam pode colocar credor brasileiro em recuperação; veja outros destaques

Osni Alves
Jornalista desde 2007. Passou por redações e empresas de comunicação em SC, RJ e BH. E-mail: oalvesj@gmail.com.

A Latam pretende incluir os credores brasileiros no processo de recuperação judicial que corre nos Estados Unidos.

Os seis principais, que, juntos, somam mais de US$ 450 milhões, já foram apresentados à Justiça americana.

Praticidade e precisão, saiba quais melhores investimentos e como melhorar rentabilidade de suas ações

Os demais vêm sendo contatados para que informem sobre os valores que entendem ter direito e possam ser listados pela companhia.

Segundo o Valor, essa é uma discussão nova no mercado brasileiro. A inclusão do credor no processo evita que sejam ajuizadas ações de cobrança no Brasil.

Mas não há lei que trate da questão. Em tese, os brasileiros não estariam sujeitos ao processo americano e não precisariam aceitar as condições de pagamento que serão acertadas nos Estados Unidos.

Petz mira em IPO de até R$ 3,36

A rede de petshop Petz pode movimentar mais de R$ 2 bilhões em sua oferta inicial de ações (IPO).

Conforme o Valor, a empresa definiu ontem a faixa indicativa de preços na oferta, entre R$ 12,25 e R$ 15,25.

Considerando o meio da faixa indicativa, de R$ 13,75, a operação pode girar R$ 2,245 bilhões.

O fundo de private equity Warburg Pincus, acionista da companhia desde 2013, que tem uma fatia de 55,09%, vai vender grande parte das ações, junto com Sérgio Zimerman, fundador da empresa, que tem o restante da companhia.

Tanure por trás da possível fusão Gafisa e Tecnisa

A fusão entre Gafisa e Tecnisa – se concluída – fará da empresa combinada a partir das duas incorporadoras “a nova AmBev do mercado”, segundo o investidor Nelson Tanure, que participa do capital da Gafisa por meio da Planner Redwood Asset Management.

A gestora é a maior acionista da companhia, com 30% de participação. A Gafisa tem o capital pulverizado.

Ao Valor, ele disse que a intenção é que empresa resultante da fusão entre Gafisa e Tecnisa seja a melhor e não a maior do setor imobiliário brasileiro.

Na quarta-feira, a Tecnisa divulgou ter recebido proposta não solicitada da Gafisa de combinação de negócios das duas empresas.

Segundo Tanure, a motivação para a busca da associação seguiu lógica de mercado e econômica.

“São empresas complementares. Juntas, podem reduzir em quase R$ 100 milhões as despesas e fazer captações com taxas de juros menores”, declarou.

De acordo com a Coluna do Broadcast, o que a Gafisa planeja é fazer uma “anexação” da Tecnisa, mesmo contra a vontade da empresa.

Sabesp (SBSP3): minoritários pedem venda e criticam expansão

As declarações de João Doria (PSDB), governador de São Paulo, sobre um “programa de capitalização” da Sabesp (SBSP3) a ser anunciado em breve deixaram acionistas minoritários da empresa e analistas de mercado em polvorosa nos últimos dois dias.

Segundo o Valor, primeiro porque Doria não explicou exatamente qual é o plano e então a fala serviu apenas para criar incertezas.

Depois porque a expectativa dos minoritários, até pelo perfil do governador, era por uma privatização da companhia.

SBSP3: capitalização

Conforme o jornal, a palavra “capitalização” trouxe à memória o plano anunciado durante o governo de Geraldo Alckmin, que previa a criação de uma holding controladora que reuniria a Sabesp e eventuais outras empresas subsidiárias.

Esse seria o plano que revoltaria minoritários, pois a empresa continuaria sob controle do Estado.

Além disso, no mercado há incertezas sobre a atratividade desse modelo. A dúvida é se algum investidor teria interesse em ser sócio do Estado de São Paulo numa eventual holding, já que, como estatal, a Sabesp não tem a eficiência de uma empresa privada.

Agora, se Doria anunciar um modelo de capitalização em que a Sabesp deixar de ter um controlador, transformando-se em uma “corporation”, teria apoio desses acionistas.

Money Week 5ª Edição

5 Dias de Evento | 70 Autoridades do Mercado Financeiro | 20 Horas de Conteúdo

Sabesp (SBSP3) tem autorização para reajuste; Ecorodovias (ECOR3) divulga tráfego

Fundos de private equity usam IPOs para ‘limpar’ portfólio

Os fundos de private equity (que compram participações em empresas) estão aproveitando o cenário favorável no mercado de capitais para vender empresas.

De acordo com o Estadão, em meio à pandemia a gestora Advent vendeu sua companhia mais antiga do portfólio, a varejista de materiais de construção Quero-Quero.

A saída do fundo do negócio foi por meio de uma oferta inicial de ações (IPO). Na operação, o Advent embolsou R$ 2 bilhões com a venda de 88% de sua participação.

Conforme o jornal, outros fundos se organizam para fazer o mesmo. Em setembro, está previsto o IPO da Petz, rede de varejo focada em animais de estimação, do fundo Warburg Pincus.

A operação pode movimentar até R$ 3,33 bilhões. A empresa do setor imobiliário Alphaville e a farmacêutica Alfa, que pertencem à gestora Pátria, também fizeram registro de abertura de capital na Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Importação cresce, mas incertezas persistem

Após meses de fortes quedas provocadas pela pandemia, as importações brasileiras sinalizam uma retomada.

Conforme o Valor, embora ainda haja incertezas para o longo prazo, o cenário para o segundo semestre é de recuperação.

Hoje, o número de navios que chegam à costa brasileira com contêineres voltou ao normal, e o preço do frete em rotas importantes, como a Ásia-Brasil se mantém estável.

No caso dos produtos chineses, que respondem por quase metade dos contêineres importados pelo Brasil, o mês de agosto já mostra uma reação relevante, segundo levantamento da consultoria Solve Shipping.

No mês, a capacidade total dos navios que chegarão ao país será praticamente igual à de 2019.

Afya adquire Faculdade de Ciências Médicas da Paraíba

A Afya, grupo de ensino focado em cursos de saúde, fechou a aquisição da Faculdade de Ciências Médicas da Paraíba por (FCMPB) por R$ 380 milhões.

Deste valor, 50% serão pagos à vista na data de fechamento da transação e a outra metade em quatro parcelas iguais até 2024, corrigidas pelo CDI.

Segundo a Afya, a faculdade deverá apurar uma receita líquida de R$ 107 milhões em 2024, quando a instituição estará em sua plena capacidade de vagas ofertadas.

Conforme o Valor, esse montante “representa em EV/Ebitda [valor de mercado sobre Ebitda] pós-sinergia estimado em 6,3 vezes”, segundo a companhia.

A FCMPB possui 157 vagas de medicina, com isso, a Afya passa a ter 2.023 vagas de medicina.

Partidos contra o duzentão

Três partidos entraram com uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF) para impedir a entrada em circulação da cédula de R$ 200.

Segundo o Valor, a ação foi movida pelo Podemos, Rede e PSB após o anúncio do Banco Central de que a nota seria criada e deveria começar a circular no país até o fim de agosto.

Os partidos apontam que “a produção e circulação da nova cédula causa grave ameaça ao combate à criminalidade, violando o direito fundamental à segurança”.

Na peça, eles afirmam que, ainda em 2019, diversas entidades da sociedade civil formularam manifestação ao Banco Central sugerindo até mesmo a descontinuação da cédula de R$ 100.

“No mais, parece evidente que o aumento do valor de face do papel-moeda possui, sim, relevante papel para a criminalidade. Basta pensar que o transporte de numerário por fora do sistema financeiro e dos controles estatais ficará facilitado”, diz o argumento.

Também afirmam que a Conselho Monetário Nacional (CMN) “falha em apontar de forma satisfatória” os motivos para a criação da nova cédula.

Câmara de SP aprova aumento do ISS para instituições financeiras

A Câmara Municipal de São aprovou projeto de lei 309/2020, que eleva o Imposto Sobre Serviços (ISS) para bancos.

Segundo o Valor, o projeto prevê a suspensão temporária de benefícios fiscais concedidos às empresas de leasing e de cartão de crédito em decorrência da crise financeira provocada pela pandemia na cidade de São Paulo.

Caso seja aprovado em definitivo, será alterada a alíquota de ISS de 2% para 5% a partir da data em que a proposta entrar em vigor até 31 de dezembro de 2020, e de 2% para 4% em 2021.

O benefício fiscal volta a ser concedido em 1° de janeiro de 2022, quando a alíquota voltaria para 2%.

O projeto foi aprovado pela Câmara por 29 votos favoráveis e sete contrários. Ele ainda precisa ser apreciados em segunda votação. O autor do projeto é o presidente da Câmara, Eduardo Tuma (PSDB).

Coronavírus

De acordo com o consórcio de imprensa formado para cobrir a pandemia do novo coronavírus, os números no Brasil estão assim:

Casos confirmados: 3.501.975;

Recuperados: 2.653.407;

Mortes: 112.304