Latam fecha 1TRI20 com prejuízo de US$ 2,1 bilhões

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Reprodução / Facebook / Latam

A Latam, uma das três principais companhias aéreas em atividade no Brasil, sentiu nos cofres o peso da pandemia de coronavírus.

Dúvidas sobre como investir? Consulte nosso Simulador de Investimentos

Segundo relatório divulgado na noite de sexta-feira (29), a empresa fechou o primeiro trimestre de 2020 com um prejuízo de US$ 2,120 bilhões.

O valor é 35 vezes menor que as perdas registradas no mesmo período de 2019, de US$ 60 milhões.

A receita também caiu quando usada a mesma base de comparação, em 6,8%.

A explicação da Latam

O resultado operacional no trimestre foi 17% superior na comparação ano a ano, mas a perda aconteceu, de acordo com a Latam, “fundamentalmente pelo menor valor contável de ativos por 1,729 bilhão de dólares produzido pela crise de Covid-19, que não afeta o caixa”.

Os benefícios de se ter um assessor de investimentos

“A perda contábil é uma consequência natural do impacto da Covid-19 sobre toda a indústria, e naturalmente os ativos das empresas aéreas se desvalorizaram diante da impossibilidade de operar”, afirmou o executivo-chefe da empresa, Roberto Alvo, em comunicado.

A Latam confirmou que a dívida líquida da empresa no primeiro trimestre foi de US$ 7,6 bilhões, US$ 385 milhões acima dos três últimos meses do ano passado.

Reconhecimento no Chile

Depois de recorrer ao Capítulo 11 de Nova York, a Latam, agora, espera o reconhecimento do Chile, seu país de origem, para ampliar a proteção contra os credores.

De acordo com matéria do Estadão/Broadcast, o pedido de reconhecimento de um procedimento estrangeiro como “principal” é um caminho para que haja a cooperação da justiça chilena com a norte-americana.

Caso consiga estender ao Chile os efeitos da recuperação judicial, as dívidas financeiras e contratos de leasing da Latam Brasil podem estar protegidos, uma vez que estão vinculados à Latam Chile.

Por meio do Chapter 11 (Capítulo 11), a Latam tem espaço para renegociar compromissos com esse grupo de credores, algo impossível no Brasil.

As dívidas

A Latam aponta dívidas no montante de US$ 18 bilhões a mais de 100 mil credores e, por isso, entrou com o pedido junto à Justiça dos Estados Unidos.

Os benefícios de se ter um assessor de investimentos

Brasil, Argentina e Paraguai ficaram de fora do processo, de acordo com documento encaminhado à Securities and Exchange Comission (SEC), autoridade reguladora do mercado de capitais norte-americano.

De acordo com o Broadcast/Estadão, apesar de terem ficado de fora nesse primeiro momento, Chile e Brasil podem vir a ser inclusos no pedido de recuperação judicial da Latam em breve.

Em nota enviada ao jornal, a Latam informou que o tribunal confirmou a “suspensão automática” prevista no Capítulo 11, “que protege a companhia de reivindicações de credores ou outras partes interessadas em relação a passivos relativos ao período anterior ao pedido, permitindo que a empresa continue operando com seus principais ativos, fornecedores, públicos financeiros, órgãos regulatórios e funcionários durante o processo de reorganização”.

O pedido

Pelo twitter, a companhia afirmou que continuará operando normalmente durante o processo. Para isso, deve receber um empréstimo de até US$ 900 milhões dos controladores, a chilena Cueto, que tem 21,5% de participação, a brasileira Amaro, dona de 2%, e a Qatar Airways, 10%, de acordo com o Estadão.

“Implementamos uma série de medidas difíceis para mitigar o impacto dessa interrupção sem precedentes do setor, mas, no final das contas, esse caminho representa a melhor opção”, afirmou o CEO Roberto Alvo.

Planilha de ações: baixe e faça sua análise para investir