Justiça do Peru decide que Keiko Fujimori deve voltar à prisão

Daniele Andrade
Jornalista formada pela Universidade Positivo, pós-graduada em Mídias Digitais. Atualmente cursa bacharel em História. Gosta de produzir reportagens sobre política tanto nacional quanto internacional, economia e tecnologia.
1

Na terça-feira (28), a Justiça do Peru tomou a decisão de que Keiko Fujimori, líder do partido Força Popular retorne à prisão. O pedido da promotoria é de que Keiko fique na prisão preventiva por 15 meses. Enquanto aguardar o desenrolar da decisão no caso Odebreacht, segundo reportagem do G1. Víctor Zúñiga Urday, foi o juíz que acatou o pedido da promotoria.

Após uma decisão pelo Tribunal Constitucional, Keiko saiu da prisão em novembro do ano passado. A jovem é filha do ex-presidente Albeto Fujimori. Keiko  chegou a se candidatar a Presidência do Peru, pelo partido Força Popular, de oposição ao governo Martin Vizcarra. Foi durante a campanha eleitoral que Keiko foi acusada de receber dinheiro da Odebreacht em 2011.

A jovem já ficou sob custódia após ouvir sua sentença, depois foi transferida ao presídio do Instituto Nacional Penitenciário onde passou a noite na terça-feira. Na quarta (29), será determinado o local em que Fujimori deverá cumprir a prisão preventiva, segundo informação do El Comercio divulgadas pelo G1.

Marcelo Odebrecht chegou a confirmar em 2017, que entregou dinheiro à campanha do partido de Keiko. No qual, o valor foi de US$ 500 mil. Após a declaração de Marcelo, Fujimori chegou a ser presa preventivamente em 10 de outubro de 2018. Logo conseguiu ser solta após alguns dias, mas em 31 de outubro ela foi presa novamente.