Juros das operações de crédito caem pelo 2º mês seguido

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Banco de Imagens Pixabay/ By Steve Buissinne.

As taxas de juros das principais operações de crédito caíram pelo 2º mês consecutivo, informou nesta quarta-feira a Anefac.

A Associação Nacional de Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade atribuiu a uma série de fatores a baixa de todas as linhas de crédito pesquisadas.

Dúvidas sobre como investir? Consulte nosso Simulador de Investimentos

Aprenda a interpretar o cenário dos investimentos com leituras de 5 minutos. Conheça a EQI HOJE

As principais razões listadas pela Anefac foram:

  • Redução da Taxa Básica de Juros (SELIC) promovida pelo Banco Central em sua última reunião do COPOM;
  • Expectativa de novas reduções da Taxa Básica de juros frente a um cenário de inflação baixa e recessão econômica;
  • Redução dos depósitos compulsórios promovida pelo Banco Central;
  • Operações de crédito com juros baixos e aportes do governo para pagamento das folhas das empresas pequenas e médias;
  • Renegociação de dívidas com juros menores;
  • Redução de juros para não agravar ainda mais o quadro de inadimplência e solvência das empresas e pessoas físicas.

Reduções históricas

As reduções nas taxas de juros no mês de maio atingiram índices que há muito tempo não eram vistos no País.

Segundo a Anefac, a taxa de juros média geral para Pessoa Física apresentou uma redução de 0,04 ponto percentual no mês (0,88 ponto percentual no ano).

Os benefícios de se ter um assessor de investimentos

Esse valor é correspondente a uma redução de 0,70% no mês (0,92% em doze meses), passando de 5,73% ao mês (95,15% ao ano) em abril/2020 para 5,69% ao mês (94,27% ao ano) em maio/2019.

O índice transformou a taxa atual na menor desde janeiro de 2014.

A taxa de juros do comércio foi reduzida em 0,84%, passando de 4,76% ao mês para 4,72% ao mês, melhor índice desde outubro de 2014, quando chegou a 4,65% ao mês.

Em relação ao cartão de crédito, a taxa passou de 11,24% ao mês para 11,20% ao mês, a menor desde fevereiro de 2016, quando chegou a 11,16% ao mês.

Os juros do cheque especial também baixaram. Houve redução de 0,28% em maio, com a taxa passando de 7,25% ao mês para 7,23% ao mês. O índice é o menor registrado desde dezembro de 2009, quando foi de 7,18% ao mês.

O CDC – Banco Financiamento de Automóveis – atingiu a menor taxa da série histórica em maio de 2020: 1,40% ao mês, contra 1,41% de abril

 

juros

Pessoa Jurídica

As reduções para Pessoa Jurídica também foram marcantes. A Anefac informou que a taxa de juros de maio é a menor desde maio de 2013.

A taxa de juros média geral apresentou uma redução de 0,04 ponto percentual no mês (0,67 ponto percentual no ano).

Esse valor é correspondente a uma redução de 1,29% no mês (1,51% em doze meses), passando de 3,10% ao mês (44,25% ao ano) em abril/2020 para 3,06% ao mês (43,58% ao ano) em maio/2020.

Juros x Selic

Em um cenário no qual se consideram toda a flutuação da taxa básica de juros (Selic) entre março de 2013 e maio de 2020, houve uma redução de 4,25 ponto percentual (de 7,25% ao ano para 3% ao ano).

Esse valor é correspondente a uma redução de 58,62%.

A taxa de juros média para pessoa física, por sua vez, apresentou uma elevação de 6,30 pontos percentuais, correspondentes a 7,16%, de 87,97% ao ano em março de 2013 para 94,27% ao ano em maio de 2020.

Em relação às operações de crédito para Pessoa Jurídica, não houve elevação segundo a Anefac, com o percentual se mantendo em 43,58% ao ano entre março de 2013 e maio de 2020.

Perspectiva futura

De acordo com Miguel José Ribeiro de Oliveira, diretor executivo de Estudos e Pesquisas Econômicas da Anefac, a piora do cenário econômico do País deve levar a um aumento na taxa de operações nos próximos meses.

“Para os próximos meses a perspectiva é haja um aumento das taxas das operações, isso por causa da piora do cenário econômico com maior risco de crédito e da elevação da inadimplência. Mas as ações do Banco Central podem amenizar essas altas, como se houver a redução de impostos, compulsórios e reduções da Selic”, projetou.

Planilha de ações: baixe e faça sua análise para investir