Juliano Custodio: conheça a trajetória do fundador da EQI Investimentos

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Juliano Custódio, CEO da EuQueroInvestir.

Com mais de 42 mil clientes e 11 escritórios em sete estados, a EQI Investimentos invadiu o noticiário econômico em julho de 2020, ao se unir ao BTG Pactual. Com mais de 400 colaboradores, a empresa já planeja se tornar uma corretora. Quem vê a EQI hoje não imagina que, seis anos atrás, o seu fundador, Juliano Custodio, estava praticamente recomeçando.

Engenheiro eletricista formado pela Universidade Federal do Rio Grande Sul, ele trabalhava no mercado financeiro e decidiu dar uma guinada. Primeiro, criou um blog e começou a publicar vídeos no Youtube para ensinar as pessoas a investir. “Numa época em que nem era moda ser youtuber, eu já era um”, contou à jornalista Fabiana Panachão, no podcast Me Fala de Você?

“Meu primeiro vídeo no Youtube teve 20 visualizações, o segundo teve 50, o terceiro teve 100. Escrevia um texto por dia e publicava dois vídeos por semana.”

Participe do maior evento de investimentos da América Latina

A simplicidade com que explicava conceitos complexos e a disciplina que se impôs para ampliar seu público fizeram com que Juliano Custodio, aos poucos, se tornasse referência em investimentos. Além disso, foi por esses canais que ele conquistou os primeiros clientes.

Hoje, ele é sócio e CEO da EQI Investimentos, empresa que surgiu a partir de seu blog euqueroinvestir.com. Desde julho, a EQI é ligada ao BTG Pactual, o maior banco de investimentos da América Latina e uma das principais instituições financeiras brasileiras.

  • Saiba como Juliano Custódio chegou até aqui, o que ele pensa sobre empreendedorismo e quais suas dicas mais valiosas para quem quer começar a investir.

Como tudo começou?

Aos 18 anos de idade, Juliano Custodio realizou o sonho do pai ao passar em um concurso para trabalhar no banco Banrisul. Antes mesmo de receber o primeiro salário, já fazia planos de comprar um carro e um apartamento. Até que recebeu o telefonema de um tio, um empresário que, naquela época, era sua referência mais próxima de “pessoa rica”.

Na conversa, o tio não demonstrou tanto entusiasmo com a nova carreira do sobrinho. Falou das dificuldades que Juliano teria, como funcionário público, para garantir uma boa aposentadoria e acumular patrimônio.  Mas disse que poderia ajudá-lo mesmo assim. Levou de presente para o novo auxiliar de mesa de operações do Banrisul uma calculadora HP e o livro “Pai Rico, Pai Pobre”. “Isso mudou a minha vida”, lembra Juliano.

Naquela calculadora, os dois simularam quanto seria necessário guardar por mês, a partir dos 18 anos, para chegar aos 53 com um  patrimônio de R$ 13 milhões. Com isso, teria uma renda mensal de R$ 206 mil.

Essa conta simples que, ingenuamente, não considerava as perdas com inflação, mostrou a Juliano que seria necessário guardar R$ 350 por mês a partir daquele momento. “Fui o último dos meus amigos a comprar um carro. Aprendi que era preciso postergar as decisões, postergar os meus desejos, para conseguir poupar”, diz. “Quanto mais você postergar, mais terá liberdade financeira.”

Juliano descobriu mais tarde que, por conta da inflação, ao guardar essa quantia por mês, não alcançaria sua meta. Ele chegaria aos 53 com patrimônio de R$ 1,5 milhão. E além disso, sua renda não seria de R$ 206 mil, mas de “apenas” R$ 13 mil.

O presente e o empurrão do tio o levaram a estudar sobre investimentos.

Mercado financeiro

Em 2003, Juliano Custodio já tinha largado o emprego público e começou a trabalhar como agente autônomo da XP Investimentos. Para alcançar mais clientes sem ter que sair da cidade que escolheu para viver, Balneário Camboriú (SC), ele partiu para o universo sem barreiras da internet.  O blog euqueroinvestir.com foi um divisor de águas em sua trajetória.

“Eu queria fazer um negócio que fizesse bem para mim e para as pessoas. Nesse momento, resolvi fazer um blog sobre finanças. Comecei escrevendo sobre as diferenças dos investimentos de renda fixa, pois pouca gente entendia sobre isso”, conta. “Desde o início, queria que esse conteúdo fosse gratuito. Esse seria um diferencial que atrairia muitas pessoas para o blog.”

Foi o que aconteceu. E Juliano teve que deixar a gestão das redes sociais para conduzir a empresa e fazê-la crescer. “Já são milhares de pessoas no Brasil inteiro que passaram a ter mais dinheiro e oportunidade de se aposentar melhor. Esse é o grande negócio.”

Em junho de 2017, a EQI incorporou os escritórios da Clamber Investimentos, de Florianópolis, e da AKF Investimentos, de Joinville. Juntos, eles tornaram a EQI o maior escritório de agentes autônomos da XP Investimentos no País em 2020.

A experiência adquirida na troca de ideias com os profissionais de uma das maiores agências de investimentos do País deu ao executivo a certeza de que o caminho traçado estava certo. No entanto, ainda havia sonhos a serem alcançados.

E foi um destes sonhos – o de transformar sua empresa em uma corretora – que colocou aEQI Investimentos no centro de uma verdadeira “briga de titãs” entre a XP e o BTG Pactual.

O negócio com o BTG

De acordo com Juliano Custodio, a decisão de trocar a velha parceira pelo banco BTG não foi precipitada ou impensada. “Eu não queria simplesmente sair da XP e ir para o BTG”, conta. “Tentamos conversar com a XP para dar o próximo passo, mas ela não se mostrou interessada em transformar a gente em uma corretora de valores para que pudéssemos ter nossa independência.”

Essa proposta acabou vindo do BTG, que vai se tornar sócio da EQI em uma corretora, assim como o Itaú é sócio da XP. “É uma grande união: a união do maior banco de investimentos da América Latina com a gente, que sabe bem educar e ajudar as pessoas a investir”, diz Juliano.

O próximo passo da transformação da EQI em corretora está nas mãos do Banco Central e deve ter uma definição entre fevereiro e março de 2021. Enquanto essa autorização não sai, a EQI atua como representante do BTG.

“Quando o BC autorizar, vai haver uma cisão da corretora do BTG. Automaticamente nossos clientes que estão saindo da XP e indo para o BTG, vão virar clientes da EQI (futura EQI CCTVM, corretora de títulos e valores mobiliários)”.

Outra meta da EQI é abrir o capital na bolsa de valores no prazo de até 5 anos.

Empreender é um trabalho de longo prazo

Na entrada de seu escritório, Juliano Custodio tem um tapete com a frase que ele não quer que sua equipe esqueça: “tudo nos trouxe até aqui”. De certa forma, essa frase resume uma das lições sobre empreendedorismo que Juliano aprendeu em sua trajetória e que hoje tenta passar adiante.

“Tudo nos trouxe até aqui: nossos erros, nossos acertos, as brigas internas. Talvez tenham sido muito mais os erros do que os acertos porque só paramos para pensar quando erramos.”

Empreender, ele costuma dizer, tem a ver com não desistir e com ter paciência. Hoje, olhando para trás, ele reconhece que a ansiedade mais atrapalhou do que ajudou. “A ansiedade foi o que me fez ter mais altos e baixos. Quis correr muito mais rápido do que poderia ou aguentaria. Isso me fez tropeçar três vezes. Quando entendi que precisava ir na direção correta e mais devagar, consegui empreender e ter sucesso. Quando não pensei mais em ter sucesso em 2 ou 3 anos, cheguei onde queria em 5 anos.”

Ao mesmo tempo em que recomenda paciência aos empreendedores, Juliano Custodio faz um alerta a quem se deixa levar pelo discurso, muito difundido nas redes sociais, de que empreender é algo simples e de que é possível ficar rico no curto prazo.

“Empreender realmente é muito legal, mas a subida é lenta e a caída é rápida. Às vezes você dá 3 ou 4 passos para trás, mas não pode desanimar. Se você tiver a capacidade de fazer todos os dias a mesma coisa de forma cada vez mais intensa, vai atingir o sucesso. Só que você precisa ter paciência”, reforçou.

Investir no Brasil

À frente da EQI, Juliano Custodio tem uma espécie de missão: fazer com que as pessoas percam o medo de investir. Embora ele já tenha percorrido um longo caminho nesse sentido, reconhece que ainda há muito chão pela frente. “Aqui as pessoas ainda têm muito medo de perder seu dinheiro, do dinheiro sumir.”

Ele relaciona esse trauma com o confisco da Caderneta de Poupança, feito pelo ex-presidente Fernando Collor de Mello, em 1992. “Faz 30 anos e as pessoas ainda têm medo disso. Quando sai qualquer notícia pior, já vem essa história na mente. Um trauma acaba com gerações de crescimento.”

No entanto, ao olhar para frente, Juliano Custodio demonstra um otimismo inabalável. De acordo com ele, embora seja uma mudança lenta e gradual, ela já está em curso e vai ganhar impulso com os mais jovens.

“O brasileiro, talvez por falta de perspectiva, nunca pensou muito no futuro. Pensava mais no que ia comer amanhã. Gradualmente, mais e mais pessoas estão pensando no amanhã. Essa consciência é importante. Vejo isso a cada dia. Hoje temos 1 milhão de pessoas por mês entrando em nosso blog para ler sobre investimentos.”

Ao mesmo tempo, com a taxa de juros mais baixa, os brasileiros estão começando a entender que não vale mais a pena deixar o dinheiro parado. Além disso, o cenário está mais favorável com perspectivas para aprovação de reformas como a tributária e a administrativa. “Dá para ter alguma esperança.”

Dicas para quem quer começar a investir

Agora que você já conhece a história de Juliano Custodio, confira algumas dicas dele para quem quer aprender a poupar e a investir.

  • Previdência é essencial 

“Para quem ainda não aprendeu a poupar, a previdência é minha grande dica. Tem que ser a primeira coisa que você vai pagar no mês. Não vai pagar energia elétrica, conta da academia. Vai pagar pelo seu futuro. Quando minha filha nasceu, fiz uma previdência para ela. O produto tem vantagens fiscais. Você paga menos imposto no tempo e, com juros mais baixos, faz muita diferença. Além disso, esse dinheiro vai direto para o beneficiário: caso aconteça alguma coisa, nem entra no inventário”.

  • Postergue seus “prazeres”

“As pessoas ficam endividadas para ter uma aparência melhor. Fico triste com isso. Sempre pensei que poderia postergar os meus prazeres. Sempre botei minhas realizações um ano para frente. Por exemplo, trocar de carro. Postergue as coisas. O Brasil é um dos poucos lugares em que você compra as coisas em 12 vezes sem juros. Isso não existe em lugar nenhum. Brasileiro antecipa o sonho. Ele antecipa o sonho e seja o que Deus quiser. Postergue seus sonhos de consumo, que você vai conseguir guardar dinheiro.”

  • Pense no futuro

“É um hábito. Vocês têm que cuidar do futuro. Não sabemos qual vai ser a nova pandemia, a nova guerra, o novo conflito. Precisamos ter caixa para aguentar uma demissão, uma fase ruim da empresa. Tenha 6 meses de dinheiro guardado, pois pode acontecer uma nova pandemia e você não conseguir operar. Mas não pode desistir dele. Para isso, tem que ter caixa. Uma frase conhecida no mercado financeiro diz que ‘o caixa é rei’. Meus amigos tiravam dinheiro do caixa da empresa e compravam em imóveis. Na crise, tinham o bem, mas não tinham o dinheiro para salvar a empresa”.

  • Viva o caminho

“Pode parecer piegas, mas a beleza não é chegar ao lugar, e sim viver o caminho. Continua, que dá para colocar mais pessoas para trabalhar de maneira inspirada e gostar de trabalhar. Os próximos anos vão ser muito legais, mas o que importa é a jornada”.