Juíza cassada por abuso de caixa 2 receberá salários por mais dois meses

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.

Crédito: Marcelo Camargo/Agência Brasil

A juíza Selma Arruda, cassada por abuso de caixa 2 e poder econômico na campanha de 2018, continuará recebendo salários normalmente pelos próximos dois meses.

Segundo informações do Estadão Conteúdo, Arruda, que foi eleita pelo Podemos (MT), deverá manter seus vencimentos de R$ 33,7 mil pelo menos até fevereiro de 2020, com direito a imóvel funcional e cota parlamentar.

Apesar de o resultado do julgamento do TSE já ter sido publicado, ainda falta a Mesa Diretora do Senado declarar oficialmente a vacância do cargo.

Abra agora sua conta na EQI Investimentos e tenha acesso a soluções customizadas de acordo com seu perfil

Na última quinta (19), a presidente do Tribunal Superior Eleitoral, ministra Rosa Weber, encaminhou a Davi Alcolumbre, presidente do Senado, a decisão tomada pelo tribunal no último dia 10.

Alcolumbre, então, deixou claro que, antes do recesso, marcado para segunda-feira (23), “nada irá acontecer”.

A decisão de Alcolumbre vai de encontro a um pedido de Álvaro Dias, líder do Podemos no Senado. “É preciso colocar um pé no freio. Esse carro está em alta velocidade e tem uma instituição em jogo, que é o Senado”, declarou.

“Moro de saias”

Apelidada de “Moro de saias”, a juíza Selma Arruda foi considerada culpada por ter antecipado a corrida eleitoral e contratado empresas de pesquisa e de marketing para a produção de vídeos, jingles e fotos na pré-campanha.

A senadora disse que ainda haverá um procedimento no Senado sobre a cassação. Sua assessoria de imprensa afirmou que ela não faria mais comentários sobre o caso no momento.