JPMorgan: vitória de Biden seria melhor cenário

Rebeca Torres
null

Crédito: Gage Skidmore / Wikimedia Commons

Uma vitória de Joe Biden seria o melhor cenário para as eleições norte-americanas. Esta é a opinião do banco JPMorgan, de acordo com reportagem do portal Markets Insider.

Analistas do banco definiram quais cenários das eleições para 2020 serviriam melhor ao mercado de ações dos Estados Unidos. A conclusão foi que a vitória de Biden, com um Senado controlado pelos republicanos, seria mais favorável do que a reeleição de Donald Trump.

Simule seus investimentos com um especialista e confira as melhores opções de acordo com seu perfil

Esse resultado manteria o regime tributário de Trump em vigor, ao mesmo tempo em que eliminaria suas “interrupções aleatórias da política externa/comercial”.

No entanto, contrariando esse cenário, uma varredura democrática completa do Senado, através de uma possível vitória de Biden, traria uma piora aos mercados, já que o partido provavelmente introduziria novas regulamentações no setor, além de aumentos de impostos sobre ganhos corporativos e de capital.

O ciclo eleitoral de 2020 é o primeiro a acontecer no mesmo ano de um processo de impeachment presidencial. E isto levanta questões sobre a “vulnerabilidade das cadeiras no Senado”, acrescentou o JPMorgan. Dessa maneira, a eventual presidência de Joe Biden seria melhor para os mercados do que um segundo mandato de Trump – mas, apenas se os republicanos mantiverem a mesma configuração no Senado.

Banco apresenta os melhores e piores cenários

O banco apresentou os melhores e os piores cenários para as eleições “coringa” de 2020 em nota emitida à imprensa na quarta-feira (11).

A presidência de Biden com um Senado republicano favoreceria os mercados, já que o regime tributário de Trump provavelmente permaneceria.

Em contrapartida, com um governo dividido, as “rupturas aleatórias da política externa/comercial de Trump” seriam eliminadas, mantendo suas políticas econômicas favoráveis ao mercado, de acordo com o JPMorgan.

Porém, uma varredura democrata da Casa Branca e do Congresso prejudicaria os preços dos ativos ao introduzir novos impostos corporativos e de ganhos de capital.

Biden lidera na corrida presidencial

Atualmente, Biden está à frente de Bernie Sanders, de Vermont, na disputa pela corrida presidencial democrata.

No entanto, a plataforma do Partido Democrata inclui propostas que podem vir a prejudicar os setores de saúde, comunicação, tecnologia e financeiro.

Diante disto, os mercados dão, hoje, um ponto a mais para Biden sobre Trump. Mas a margem de erro permanece grande o suficiente para tornar a corrida muito perto do seu fim, afirmou o banco. A instituição salienta ainda que a forma como Trump tem lidado com a crise do coronavírus “compromete ainda mais sua posição”, podendo reduzir significativamente suas chances de reeleição.

Saiba mais:

Joe Biden amplia vantagem sobre Sanders mas mantém o foco em derrotar Trump

Cases da Bolsa

Aprenda análise fundamentalista de ações na prática, com maiores cases já criados na B3