JPMorgan acredita ser possível preço do petróleo chegar a US$ 190 em 2025

Vitória Greve
Colaborador do Torcedores
1

Crédito: Petrobras-PETR3-PETR4

O banco norte-americano JPMorgan Chase está otimista em relação ao preço do petróleo, apesar da pandemia de coronavírus ter provocado um impacto épico no mercado. As informações são da CNN Business. 

Em relatório no início de março, o banco alertou que o mercado poderia estar à beira de um “super ciclo”. Isto faria com que o Brent subisse rapidamente a US$ 190 por barril em 2025.

Semanas depois, a pandemia de coronavírus provocou um colapso sem precedentes nos preços do óleo. A fraca atividade econômica, o excesso de estoques no país, e a demanda reprimida desenharam o cenário de crise.

O petróleo Brent, valor de referência internacional, atingiu US$ 15,98 por barril em abril (a maior mínima em duas décadas). O petróleo americano caiu abaixo de zero pela primeira vez na história, chegando a -US$ 40 o barril.

Os Estados Unidos, a Rússia e a Arábia Saudita – os três maiores produtores – reduziram drasticamente a produção em resposta. Era necessário se livrar do excesso de oferta. Estes cortes ajudaram a recuperar a vida dos preços do petróleo.

Embora a demanda permaneça deprimida, o JPMorgan ainda pensa que um super ciclo de alta está no horizonte. Segundo a CNN, Christyan Malek, chefe de pesquisa de petróleo e gás na Europa, Oriente Médio e África do JPMorgan, disse que “as chances de o petróleo chegar a US$ 100 neste momento são maiores do que há três meses”. 

“Preços do petróleo vão subir”

De acordo com o relatório do JPMorgan, publicado na última semana (12), o mercado petrolífero apontou para um déficit de oferta e demanda muito grande que deve surgir em 2022. Este déficit pode atingir 6,8 milhões de barris por dia até 2025. 

“O déficit fala por si. Isso implica que os preços do petróleo vão subir”. “Achamos que é sustentável? Não. Mas poderia chegar a esses níveis? Sim.”, disse Christyan Malek à CNN. Embora o petróleo a US$ 190 possa parecer absurdo, o mesmo aconteceu com o petróleo negativo -US$ 40.

Durante anos, o mundo teve mais óleo do que precisava. Esse excesso fez com que os tanques de armazenamento se enchessem até o ponto em que o petróleo se tornou negativo em abril. Os produtores precisaram reduzir a oferta.

O cenário mais provável, segundo o JPMorgan, é que o Brent suba para US$ 60 por barril para incentivar uma maior produção.

A BP alertou nesta semana que a crise da saúde pode ter um “impacto duradouro na economia global”, causando menos demanda por energia durante um longo período. A gigante petrolífera do Reino Unido cortou sua previsão para os preços do petróleo Brent das próximos três décadas em 27%, para US$ 55 o barril.

Mas a Arábia Saudita precisa de preços do petróleo muito mais altos para equilibrar seu orçamento maciço, com ponto de equilíbrio em cerca de US$ 80 por barril.

A combinação da queda de preços, fuga de capitais e mudança climática pode limitar a capacidade da indústria de petróleo de atrair o dinheiro necessário – exatamente quando é mais necessário.