Jornais | Setor petroquímico investe em energia limpa e China libera carne brasileira

Osni Alves
Jornalista desde 2007. Passou por redações e empresas de comunicação em SC, RJ e MG. E-mail: oalvesj@gmail.com.

O noticiário corporativo desta manhã (24) destaca que o setor petroquímico investe em energia limpa e a China liberou a carne brasileira.

O Valor Econômico informa que a indústria petroquímica brasileira tem investido na transição energética, visto que as quatro maiores empresas do setor têm pelo menos R$ 5,3 bilhões em contratos de longo prazo para compra de energia solar e eólica, além de autoprodução.

Também diz que em um sinal positivo nas negociações entre Brasil e China para a reabertura do país asiático à carne bovina brasileira, as autoridades alfandegárias autorizaram o embarque das cargas de 4 de setembro, data de início da suspensão após o surgimento de dois casos atípicos do mal da “vaca louca”.

O Globo, por sua vez, elenca que o governo propõe tornar o Auxílio uma despesa obrigatória, com repasse de R$ 400 permanente. Entretanto, até agora não indicou de onde viriam os recursos. O benefício teria o tratamento de despesas obrigatórias como aposentadorias. Isso representa drible na LRF.

Já o Estadão destaca que a Inflação e juros devem tirar R$ 44,7 bilhões do comércio no fim do ano. Trata-se do impacto da alta dos juros, da inflação e da queda na renda.

Em outra manchete, informa que o Congresso ampliou em 139% a previsão de emendas para 2022. Ao todo, deputados e senadores querem R$ 112,4 bilhões para financiar obras e serviços em seus redutos, sete vezes mais do que já está reservado.

A Folha informa que o governo faz seis alterações na PEC dos Precatórios, e isso às vésperas da votação na CCJ.

Exterior

Conforme destacado pelo euqueroinvestir.com às 7h, nos Estados Unidos a divergência nos setores mudou junto com os rendimentos do Tesouro, que tem aumentado desde a renomeação de Jerome Powell pelo presidente Joe Biden como presidente do Federal Reserve na última segunda. A informação é da CNBC.

Também disse que os preços do petróleo podem subir ainda mais, apesar do país e outros grandes consumidores liberarem milhões de barris do produto de suas reservas para tentar manter os preços da energia baixos.

A tendência é não funcionar, visto que as reservas estratégicas de petróleo existem apenas para compensar interrupções inesperadas no fornecimento de curto prazo. A medida se faz necessária porque os preços do petróleo saltaram mais de 50% este ano, com a demanda ultrapassando a oferta.