Populismo fiscal preocupa mercado; veja mais notícias dos jornais

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Reprodução/Flicker

O mercado financeiro observa atento ao “flerte” do governo federal com o populismo fiscal, afirma o Valor.
Voltam a circular entre gestores a discussão a respeito do enfraquecimento do papel do Ministério da Economia e até sobre uma possível saída do ministro Paulo Guedes.

Segundo fontes ouvidas pelo jornal, que pediram para não serem identificadas, o ministro é o a garantia do mercado de que não haverá um novo “risco Dilma”.

Veja aqui a trajetória de Guedes, de superministro a enfraquecido.

Confira principais Ações para investir em Outubro

Tesouro pode ter insuficiência de R$ 46 bilhões no ano

O Tesouro pode encerrar o ano com uma insuficiência de R$ 46 bilhões entre o caixa de recursos livres (sem vinculações orçamentárias) e suas despesas programadas (incluindo restos a pagar). Isso indica um crescente risco de descumprimento da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), aponta o Valor.

No início do ano, a estimativa era positiva em R$ 42 bilhões.

Argentina limita importação de veículos

Integrantes da equipe econômica do presidente argentino Alberto Fernández apontam que o governo deve limitar a entrada de veículos importados até o final do ano. A ideia é permitir apenas 90 mil veículos fabricados em outros países, aponta o Valor.

Guedes e Maia devem se encontrar em jantar hoje

Pode haver uma reconciliação entre o ministro da Economia, Paulo Guedes, e o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Eles se encontram hoje em jantar na casa do ministro do Tribunal de Contas da União, Bruno Dantas. Na pauta, reforma tributária e nova CPMF.

Fux deve manter distância do Planalto

O presidente do Supremo Tribunal Federal, Luiz Fux, foi deixado de lado na escolha do novo ministro da Corte, Kassio Nunes Marques para a vaga do decano Celso de Mello, que se aposenta em 13 de outubro.

Fux não escondeu o desconforto por Jair Bolsonaro consultar Gilmar Mendes e Dias Toffoli sobre a indicação, ao invés de procurá-lo. Agora, tende a continuar com postura independente. Isto porque teria pouco a influenciar na próxima vaga, reservada a um evangélico, como já afirmou o presidente.

Royalties terão maior espaço nas receitas do Rio

De acordo com as previsões do Orçamento, os royalties vão ocupar mais espaço no total de receitas do Rio de Janeiro. A parcela vai subir de 20% da receita líquida em 2019 para 25% entre 2021 e 2023.

“O Rio de Janeiro será por muito tempo ‘petrodependente’ e o Brasil será dependente do Rio. Ainda somos o maior produtor de óleo do Brasil, e não vejo nada diferente disso no futuro. Há outros ambientes de produção de óleo, mas nada comparado à produtividade do pré-sal”, afirmou Karine Fragozo, gerente de Petróleo, Gás e Naval da Firjan para o Globo.

Atualização Covid-19

Nas últimas 24 horas, o Brasil confirmou 9.049 novos casos de coronavírus e 364 mortes. Com isto, são 4.914.906 infectados desde o início da pandemia e 146.375 óbitos.