Jornada de trabalho aos sábados para bancários é tema de discussão no Congresso

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Divulgação

A Medida Provisória que debate a possibilidade de extensão da jornada de trabalho dos bancários para os sábados (MP 905/2019), que tem como relator o deputado Christino Áureo, vem causando bastante discussão antes de ser colocado em votação no Congresso.

Graça Machado, representante da Associação Nacional dos Funcionários do Banco do Brasil (ANABB), avisou que a categoria discorda completamente da MP que tem votação marcada para o dia 20 de abril.

“A ANABB rejeita veementemente as medidas que pretendem aumentar os horários de trabalho e estender a jornada para o fim de semana”, comentou, à Rádio Senado.

“A carga horária de 6 horas foi estabelecida tendo em vista o alto grau de responsabilidade, que é fonte de pressão”, complementou.

Adauto de Oliveira Duarte, representante da Federação Brasileira de Bancos, não se posicionou contra ou a favor da medida, mas ressaltou que a aprovação da matéria pode proporcionar problemas jurídicos no futuro.

“Uma Lei de Direito Econômico de 1962 diz que não é possível que tenha atividade interna ou externa no sábado”, informou.

“Isso causa uma insegurança jurídica, pois alguém pode chegar e dizer que esse acordo coletivo não tem validade, porque isso aqui é lei de direito econômico e vocês não poderiam negociar. Não é matéria trabalhista”, concluiu.


Aproveite as oportunidades e aumente a rentabilidade dos seus investimentos.

Preencha seus dados abaixo e conte com especialistas para ajudar.

Se preferir, ligue direto para 4007-2374