Jogos Olímpicos de Tóquio são adiados para 2021, diz governo

Felipe Alves
Jornalista com experiência em reportagem e edição em política, economia, geral e cultura, com passagens pelos principais veículos impressos e online de Santa Catarina: Diário Catarinense, jornal Notícias do Dia (Grupo ND) e Grupo RBS (NSC).
1

Crédito: Divulgação / COI

Os Jogos Olímpicos foram adiados para 2021, afirmou o governo japonês nesta terça-feira (24). A informação foi repassada pelo primeiro-ministro japonês, Abe Shinzo. A proposta de adiar as olimpíadas por um ano foi aceita e confirmada pelo COI (Comitê Olímpico Internacional).

As olimpíadas estavam programadas para acontecer em Tóquio entre 24 de julho e 9 de agosto. Abe fez o anúncio a jornalistas após uma conversa telefônica com o presidente do COI, Thomas Bach.

Os Jogos Olímpicos foram adiados por causa da pandemia do coronavírus. A doença impacta a organização do evento, a preparação dos atletas e o turismo no Japão.

Juliano Custódio. Henrique Bredda. Luiz Barsi. Gustavo Cerbasi.

Estamos Ao Vivo!

A decisão vem após meses de discussão interna e pressão crescente de nações e atletas de todo o mundo que pediram que os jogos fossem adiados. Os bloqueios para controlar a pandemia encerraram torneios de qualificação em vários países, fecharam as instalações de treinamento e mantiveram os atletas isolados em casa.

A decisão histórica marca a primeira vez na era moderna que uma Olimpíada foi adiada. Antes, houve três cancelamentos devido a guerras. Os Jogos Olímpicos de Verão de 1916 foram cancelados devido à Primeira Guerra Mundial. Enquanto os Jogos Olímpicos de 1940 e de 1944 foram cancelados devido à Segunda Guerra Mundial.

Proteção de atletas e envolvidos

De acordo com comunicado oficial divulgado pelo COI, o presidente Bach e o primeiro ministro Abe expressaram sua preocupação comum com a pandemia mundial do Covi-19, com o que a doença está fazendo na vida das pessoas e com o impacto significativo que está causando nos preparativos dos atletas globais.

A propagação sem precedentes do surto tornou a situação única, de acordo com o comitê. Ontem, o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse que a pandemia do Covi-19 está “acelerando”. A partir destas informações, eles decidiram em conjunto adiar os jogos para “proteger a saúde dos atletas, todos os envolvidos nos Jogos Olímpicos e na comunidade internacional”.

Foi acordado que a chama olímpica permanecerá no Japão. E também que os jogos manterão o nome de Jogos Olímpicos e Paralímpicos Tóquio 2020.

Impactos econômicos

O adiamento dos Jogos Olímpicos será um duro golpe para o Japão, que gastou mais de US$ 12 bilhões no evento. Enormes quantias também estão em jogo para patrocinadores e emissoras. O Goldman Sachs estimou este mês que o Japão perderia US$ 4,5 bilhões em consumo interno e de entrada em 2020 se as Olimpíadas não ocorrerem conforme o planejado. O Japão também gastou US$ 277 milhões na construção de um novo estádio olímpico em Tóquio.

“O cancelamento dos jogos seria um duro golpe para a economia japonesa, no entanto, uma suspensão para o próximo ano ajudaria a amortecer o golpe”, disse Michael Hewson, analista-chefe de mercado da CMC Markets, à Newsweek, antes do anúncio. Mas o adiamento também provoca um impacto em termos de menos visitantes no país devido à maior taxa de desemprego global como resultado do impacto econômico da atual crise.

Também pode haver relutância das pessoas em viajar para a região devido a preocupações com a proximidade da China e a efeitos residuais do vírus.

Do ponto de vista do turismo, as chegadas ao Japão em fevereiro caíram 60% em relação ao mês anterior . Adiar os jogos poderá afundar o Japão em uma recessão técnica, definida por dois trimestres consecutivos de contração econômica.