Japão pode pagar até R$ 4,9 mil a cada cidadão contra crise do coronavírus

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Kimimasa Mayama / EFE-EPA - 26.2.2020

O Japão divulgou mudanças no pacote econômico contra o coronavírus e, agora, pode pagar um auxílio de até R$ 4,9 mil a cada cidadão durante a crise.

Segundo informações da Agência Reuters, Shinzo Abe, primeiro-ministro do país, decidiu ampliar a ajuda com um pagamento de 100.000 ienes (cerca de R$ 4,9 mil) para cada cidadão, em vez de 300.000 ienes (cerca de R$ 14,6 mil) para um número limitado de famílias.

Essa alteração fará com que o país amplie o pacote econômico de medidas contra a crise causada pelo coronavírus para um recorde de US$ 1,1 trilhão (aproximadamente R$ 5,6 trilhões).

A nova quantia, segundo a Reuters, triplica o custo que originalmente o governo tinha planejado.

Taro Aso, ministro das Finanças do país, defendeu a manobra de Shinzo Abe e endossou o novo pacote econômico de ajuda aos cidadãos.

“Entendo que o esquema de pagamento de 100.000 ienes foi decidido com o objetivo de incentivar todos os cidadãos a ajudarem a superar essa crise como um só”, opinou.

“O ministério das Finanças fará todo o possível para que isso seja decretado rapidamente, para que os pagamentos e outros apoios sejam entregues às pessoas o mais cedo possível”, complementou Aso.

Ricos e pobres

Diferentemente da estratégia adotada por outros países, que divulgaram pacotes econômicos para as parcelas menos favorecidas da população, o Japão resolveu privilegiar a todos, sem distinção.

O objetivo, além de ajudar aos que têm mais dificuldades em se manter, principalmente em tempos de crise e de confinamento, é incentivar uma outra ala da economia do país.

“Os beneficiários dos pagamentos incluem os ricos e as pessoas cuja renda não está sofrendo, de modo que a poupança também aumentará”, comentou à Reuters Ryutaro Kono, economista-chefe do BNP Paribas Securities.

“Mesmo considerando que mais pessoas sofrerão problemas econômicos neste momento do que durante a crise financeira de 2009, a proporção dos pagamentos que serão gastos é estimada em cerca de 40%. Como tal, isso elevaria o PIB apenas em 0,3 ponto percentual”, completou.

Estado de emergência ampliado

O governo japonês espera uma contrapartida da população em meio à divulgação do novo pacote de medidas econômicas.

Shinzo Abe avisou, no fim da última semana, que estendeu o estado de emergência para todo o país, ampliando a medida inicial, que previa a medida somente para sete regiões.

O estado de emergência é menos rigoroso do que o confinamento ou a quarentena, mas dá às autoridades poder para pedir às pessoas que fiquem em casa ou para fechar comércios.

Katsunobu Kato, ministro da Saúde do Japão, confessou que está bastante preocupado com a disseminação rápida das infecções.

Coronavírus no Japão

Segundo o painel online da Johns Hopkins University, o Japão tem registrados, até a tarde desta segunda-feira, 20 de abril, 10.797 casos confirmados do novo coronavírus e 236 óbitos.

A contagem da JHU aponta também que 1.159 cidadãos residentes do Japão já se recuperaram da Covid-19.

Atletas juntam milhões para ajudar no combate ao coronavírus