Japão critica EUA por proposta de taxação sobre companhias digitais no G20

Felipe Moreira
Editor na EuQueroInvestir, cobre temas que vão desde o mercado de ações ao ambiente econômico nacional e internacional.
1

Crédito: Reprodução/Pixabay

O ministro das Finanças japonês, Taro Aso, criticou ontem (23) o projeto de reforma tributária norte-americana, que, para ele, pode atrapalhar o empenho global para atingir normas sobre tributação de gigantes do segmento de tecnologia.

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) está trabalhando em regras para que as empresas digitais paguem impostos onde fazem negócios, e não onde registram subsidiárias, movimento apoiado pelos líderes financeiros do G20, neste domingo (23). Com informações da Reuters.

Mas, os trabalhos da OCDE foram interrompidos no final de 2019 pelas alterações exigidas pelos EUA, que previ um regime de “porto seguro” que, segundo críticos, possibilitaria que as multinacionais cumprissem as novas regras ou seguissem as já existentes.

“Eu disse aos meus colegas que o Japão está muito preocupado com essa proposta de ‘porto seguro’”, afirmou Aso a repórteres após participar da reunião do G20.

“Isso diminuiria de forma extrema o efeito regulatório do que estamos tentando fazer. Essa é uma visão expressa por vários países”, disse o ministro, juntando-se a um coro de críticas vindas da França e de outras nações sobre a proposta do norte-americana.

Algumas nações acreditam que os EUA não desejam tratar essa questão sensível em meio as eleições presidenciais que ocorrem no fim deste ano.

Raramente os japoneses criticam abertamente os americanos na política econômica, visto a proximidade das duas nações na área de defesa.

Money Week 5ª Edição

5 Dias de Evento | 70 Autoridades do Mercado Financeiro | 20 Horas de Conteúdo