Itaú (ITUB4) aposta em “mundo mais digital” após pandemia de coronavírus

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Divulgação

O Itaú Unibanco (ITUB4) conseguiu tirar um “lado bom” ao analisar o futuro do mundo após o término da pandemia de coronavírus.

De acordo com reportagem publicada pela CNN, a instituição já está envolvida em um projeto de revisão visando ao “dia seguinte” da crise da Covid-19.

A aposta do Itaú para esse futuro é que não apenas os clientes, mas também o próprio mundo terão se tornados “mais digitais” quando esse dia finalmente chegar.

Ferramenta ajuda na escolha de suas ações de acordo com balanços

“O dia seguinte também já está sendo preparado. Dentro do capítulo de digitalização, estamos tomando coragem para fazer testes importantes para aumentar a velocidade e a intensidade da nossa digitalização”, pontuou André Rodrigues, diretor-executivo responsável pelo Banco de Varejo do Itaú Unibanco.

Carteira ampliada

Segundo André Rodrigues, a carteira de clientes digitais do Itaú vem crescendo desde 2017, tendo subido de 10 milhões para 12,5 milhões em 2019.

A chegada do coronavírus também impulsionou um canal em específico: o de renegociação de dívidas por meio dos canais digitais, que passou de 2% para 40% em meio à crise.

“A gente poderia encurtar eventualmente em anos. O que seria uma janela de desenvolvimento natural de três a cinco anos pode vir muito mais para um, dois anos”, admitiu o executivo.

Rodrigues admitiu que o “boom” do setor digital não é favorável apenas aos clientes, que ganham em comodidade, mas também ao próprio banco, que consegue diminuir custos.

Mesmo assim, o executivo assegurou que as agências físicas não desaparecerão por completo quando a pandemia passar e o comércio voltar a operar normalmente.

A instituição contava com 3.158 agências físicas no Brasil antes da pandemia, segundo a CNN. “Temos mais ou menos um quarto das nossas agências fechadas… Do que está fechado agora, 100% será reaberto”, prometeu.

Saúde financeira dos clientes

Mais do que aumentar a aposta no mundo digital, o Itaú também está com um plano traçado para assegurar a saúde financeira dos milhões de clientes durante e após a crise da Covid-19.

O banco anunciou na quarta, dia 22, o aumento do prazo de carência, de 60 para até 120 dias para pessoas físicas e 180 dias para empresas.

Além disso, o banco esticou os prazos das dívidas para cinco ou seis anos, mantendo as taxas de juros.

Segundo a CNN, o Itaú também está disposto a conceder crédito novo, tanto para famílias quanto para empresas que precisem consertar os estragos causados pela pandemia.

A reportagem informou que foram mapeados 8 milhões de clientes e empresas com faturamento de até R$ 30 milhões por ano.

As medidas devem alcançar a maior parte dos clientes do banco, em um total de 20 milhões de pessoas e mais de um milhão de pequenas e empresas, disponibilizando R$ 180 bilhões em crédito.

R$ 1 bilhão para combater o coronavírus

O Itaú anunciou, há 10 dias, a doação de R$ 1 bilhão para ajudar no combate ao coronavírus no Brasil.

A doação do Itaú para a Fundação Itaú Social será administrada por um grupo de profissionais da área de saúde, liderado pelo médico Paulo Chapchap, diretor-geral do Hospital Sírio-Libanês.

A atuação da Todos pela Saúde se dará por meio de quatro eixos, de acordo com o banco:

•Informar: orientação da população como campanha de incentivo ao uso de máscaras;

•Proteger: testagem populacional e para profissionais de saúde;

•Cuidar: apoio aos gestores públicos estaduais ede grandes municípios na estruturação de gabinetes de crise; capacitação e apoio aos profissionais de saúde; uso de telemedicina; ampliação da capacidade e eficiência em estruturas hospitalares referenciadas; compra e distribuição de insumos estratégicos,além da mobilização de equipamentos e recursos humanos;

•Retomar: colaboração para o desenvolvimento de estratégias, visando a: retorno mais seguro às atividades sociais; e programas de monitoramento da população com risco elevado.

Máscaras, remédios e mais

Ainda no comunicado oficial, o banco avisou que quer se colocar como “parte da solução” da grave crise causada pelo coronavírus.

Diz o comunicado: “Nesse contexto, a iniciativa Todos pela Saúde soma-se a outras já anunciadas nas últimas semanas: cerca de R$ 250 milhões que têm sido direcionados a diferentes projetos de melhoria da infraestrutura hospitalar do país, além da produção e aquisição de testes, máscaras de proteção, equipamentos de saúde, kits de higiene e de alimentos”.

Essa é a segunda doação do Itaú em 2020 para ajudar no combate à pandemia. Antes de decidir doar R$ 1 bilhão, a instituição havia destinado milhões a várias ONGs, que distribuem cestas básicas, material médico e equipamentos para hospitais.

Agência Fitch vê recessão global “sem precedentes” em 2020