Itália registra menor número de mortos por Covid-19 em uma semana

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Reprodução Unsplash

Em meio a tantas notícias ruins, uma luz: A Itália caminha a passos largos para deixar de ser um dos epicentros da pandemia de Covid-19 no mundo.

Segundo números divulgados pela Agência de Proteção Civil, o país registrou o menor número de mortos por coronavírus em uma semana neste sábado: 482.

A melhor marca antes era do dia 12 de abril, quando o país registrou 431 mortos em 24 horas pela Covid-19.

A Itália já está em regime de quarentena e isolamento social há sete semanas e, finalmente, o platô parece começar a cair, mesmo que não tão rápido quanto as autoridades desejavam.

O número de mortes havia aumentado em 575 na sexta-feira e em 525 no dia anterior, totalizando 22.745 até a manhã deste sábado, de acordo com a Johns Hopkins University.

Recorde de recuperados na Itália

De acordo com a JHU, a Itália, que é o segundo país com o maior número de mortos pela Covid-19 no mundo, atrás somente dos Estados Unidos, também tem um bom número de pacientes recuperados.

Até este sábado, 42.727 pessoas se recuperaram de coronavírus no país, demonstrando que há esperança em ver as medidas de isolamento serem diminuídas gradativamente.

A Itália, que chegou a ser o epicentro da Covid-19 no planeta no início de março, já teve 172.434 casos da doença registrados desde que a pandemia começou.

Este sábado, 18 de abril, também ficará marcado pelo recorde de recuperados em apenas um dia no país.

Segundo Angelo Borrelli, chefe da Proteção Civil, foram mais de 2.500 contaminados que se recuperaram da Covid-19 neste sábado.

Outra boa notícia dada pelas autoridades foi que, em mais de 65 mil testes realizados em um dia, apenas 5% acusaram positivo ao coronavírus.

Coronavírus no mundo

De acordo com o painel online da Johns Hopkins University, a Covid-19 já atingiu 2.265.727 pessoas em todo o planeta, sendo 706.779 somente nos Estados Unidos.

A Espanha, com 191.726 infectados, segue na segunda posição na tabela de países mais atingidos pela doença, com Itália (172.434), França (149.232) e Alemanha (141.483) na sequência.

Recuperados no mundo

De acordo com o painel, já são 578.220 pacientes que se livraram da doença, a maior parte deles na Alemanha: 85.400.

A China, com 77.614 pacientes recuperados, e a Espanha, com 74.797, vem na segunda e terceira colocações, respectivamente, acendendo uma luz de esperança para o restante do planeta.

Nos Estados Unidos, 59.672 pacientes também conseguiram deixar o coronavírus para trás e retomar, em parte, a vida que tinham antes da pandemia.

Espanha de luto

Os espanhóis, que só perdem para os norte-americanos em número de casos, chegaram neste sábado a um número impressionante de óbitos causados pelo coronavírus.

De acordo com a Johns Hopkins University, o país europeu alcançou 20.043 óbitos pela Covid-19 e “colou” na Itália, que ainda permanece como segundo país com mais óbitos por coronavírus: 22.745.

Os Estados Unidos, que lideram a tabela mundial de casos, também são o país com maior número de mortos, e já perderam 37.086 vidas para a pandemia.

O número total de óbitos no mundo chegou, neste sábado, a 156.064.

Coronavírus no Brasil

O Ministério da Saúde anunciou na sexta-feira (17) os piores números no Brasil desde que o início da crise do novo coronavírus: são mais 3.257 casos confirmados, o maior número em um só dia.

Isso representa um aumento de 10,7%, num total de 33.682 infectados. O país tem mais 217 mortos por Covid-19, o maior número em um só dia, aumento de 11,2%. São agora 2.141 falecimentos causados pelo vírus.

A taxa de mortalidade também continua aumentando. Hoje, está em 6,36%. A porcentagem mundial é de 6,84%.

Há uma semana, a taxa de mortalidade no Brasil estava em 5,38% e o número de mortos era de 1.057 (houve um aumento de 102,55%). O de infectados estava em 19.638 (crescimento de 41,69%).

Trump afirma que Estados possuem testes para começar a “abrir” os EUA