IRB (IRBR3) retira projeções; Totvs (TOTS3) emitirá debêntures

Felipe Moreira
Felipe Moreira é Graduado em Administração de empresas e pós-graduado em Mercado de Capitais e Derivativos pela PUC - Minas, com mais de 6 anos de vivência no mercado financeiro e de capitais. Apaixonado por educação financeira e investimentos.
1

Crédito: Reprodução/Facebook

A nova diretoria executiva do IRB (IRBR3) decidiu retirar as projeções (guidance) para 2020, divulgadas no dia 18 de fevereiro de 2020, conforme fato relevante publicado nesta quarta-feira (22).

Segundo a companhia, a decisão de retirar os guidances decorre das condições atuais de mercado e das incertezas da magnitude dos impactos do coronavírus no Brasil e no mundo.

A IRB reforçou que as projeções dependem, principalmente, das condições regulatórias, ficando sujeitas às mudanças em virtude do novo cenário.

Totvs (TOTS3) aprova 2ª emissão de debêntures

O Conselho de Administração da Totvs (TOTS3) aprovou a segunda emissão de debêntures da companhia, no valor de R$ 200 milhões.

As debêntures serão simples, não conversíveis em ações, da espécie quirografária, em série única. A oferta pública terá esforços restritos de distribuição, destinada exclusivamente a investidores profissionais, com garantia firme de colocação para a totalidade da emissão.

Os títulos possuirão valor unitário de R$1.000,00 na data de emissão. A remuneração será de 100,0% do DI (Depósitos Interfinanceiros), acrescida de sobretaxa de 2,65% ao ano.

As debêntures terão vencimento em 22 de abril de 2021 e poderão ser resgatadas antecipadamente,a exclusivo critério da Totvs,a partir de 22 julho de deste ano.

Os recursos captados serão destinados a liquidação programada de R$ 200 milhões de debêntures da 1ª emissão da companhia, que vencerão em 15 de setembro deste ano, e em preparação para o pagamento de R$ 455,2 milhões pela aquisição de ações correspondentes a 88,8% do capital social da Supplier Participações.

Smiles (SMLS3) distribuirá 401,3 milhões em proventos

O conselho de administração da Smiles (SMLS3) propôs a distribuição de R$ 50.962.987,88 em juros sobre capital próprio, R$ 148.847.253,27 em dividendos obrigatórios e R$ 201.500.000,00 a título de dividendos complementares.

Os proventos totalizaram R$ 401,3 milhões, o equivalente a R$ 3,23 por ação.

Equatorial (EQTL3) divulga resultados do primeiro trimestre

A Equatorial (EQTL3) apresentou a prévia dos resultados operacionais do primeiro trimestre de 2020.

A venda de energia elétrica somou 5,6 milhões de MWh no trimestre, um aumento de 6,2% sobre o resultado do primeiro trimestre de 2019.

O destaque foi para o aumento de 26,9% nas vendas para residências de baixa renda.

O segmento residencial convencional continuou liderando as vendas de energia elétrica, representando 34,4% do total vendido no primeiro trimestre.

Todas as distribuidoras da Equatorial venderam mais energia no trimestre.

Enquanto isso, o número de consumidores atingiu 7,6 milhões no primeiro trimestre de 2020, mantendo-se praticamente estável em relação ao mesmo período de 2019.

Apenas a Equatorial de Alagoas apresentou perdas líquidas de clientes no período, caiu de 1,148 milhão para 1,072 milhão.

Ecorodovias (ECOR3) registra queda de 11% no tráfego

A Ecorodovias (ECOR3) informou nesta quinta-feira (23) os números prévios consolidados da evolução do tráfego entre 16 de março e 21 de abril de 2020 e o acumulado para o ano de 2020 até 21 de abril.

No acumulado do ano, a companhia apresentou declínio de 11% no tráfego. No período entre 16 de março e 21 de abril, a queda foi de 30,6%.

Em 2020, o destaque negativo ficou com a Ecopistas, seguida da Ecoponte que registram baixas de 18,9% e 18,1% , respectivamente.

Já as vias menos impactadas até o momento, foram a Ecocataras (2,4%) e Ecosul (2,5%).

A companhia explica que a redução no tráfego é em função da pandemia de coronavírus.

ta-e-ai

A XP Investimentos diz acreditar que o movimento de retirada de projeções seja natural neste momento de mercado, onde existe pouca visibilidade do que vai acontecer no nível das seguradoras (clientes).

“O crescimento de prêmios das seguradoras, pelo menos durante a crise, deve ser afetado”. Outro ponto é a sinistralidade, que deve apresentar melhora em alguns segmentos (auto), mas possível piora em outros (fiança).

A avaliação da gestora é referente à renúncia vinda de Alexandre Broedel, Ivan Gontijo e seus respectivos suplentes.

As renúncias são especialmente relevantes pelo fato de ambos terem mandato até 2021 e serem representantes do Itaú e do Bradesco no conselho, respectivamente.

“A notícia não foi bem recebida pelo mercado, que viu a ação cair 7% em dia de alta de 2% do Ibovespa”, disse.

Quem são?

Conforme a gestora, Alexandre Broedel é diretor financeiro do Itaú e responsável pelo departamento de relações com investidores.

Já Ivan Gontijo é diretor do Bradesco e responsável pelas operações de seguros do banco, que representam um terço dos resultados do banco da Cidade de Deus.

A explicação da companhia é que ambos os conselheiros decidiram por remover suas vagas no conselho devido ao foco necessário para suas atividades de executivos e pela necessidade de conselheiros ativos para atravessar este momento.

Porém, existem dois pontos importantes a se considerar: a expertise de dois conselheiros respeitados pelo mercado que deixam a resseguradora,  o que pode significar a não representatividade dos bancos no novo conselho.

Quem vem?

De acordo com a XP, a resseguradora contratou uma consultoria que indicou os seguintes nomes: Regina Nunes, executiva que atua no mercado financeiro desde 1988, tendo como destaque 20 anos na agência de rating S&P; Ivan Passos, que possui décadas no mercado de seguros, incluindo 30 anos na SulAmerica; Henrique Luz, ex-sócio da auditoria PwC e membro de outros conselhos; e Marcos Falcão, executivo com experiência no mercado financeiro, tendo passagens que incluem Garantia e Icatu.

Uma das formas mais eficientes de identificarmos o nosso perfil de investidor, é realizando um teste de perfil.

Você já fez seu teste de perfil? Descubra qual seu perfil de investidor! Teste de Perfil

A resseguradora também decidiu retirar suas projeções (guidance) para 2020, citando como principal razão a atual crise do coronavírus.