IPOs: das nove estreias previstas para a semana apenas quatro se concretizaram

Felipe Moreira
Especialista em Mercado de Capitais e Derivativos pela PUC - Minas, com mais de 8 anos de vivência no mercado financeiro e de capitais. Certificações: CPA-10, CPA-20 e AAI. Apaixonado por educação financeira e investimentos.
1

Crédito: Divulgação

A última semana de abril prometia ser agitada na bolsa de valores, B3. Isso porque havia nove ofertas iniciais de ações, IPOs, programadas para acontecer entre 26 e 30 de abril.

Somente quatro das nove empresas com estreias marcadas para esta semana prosseguiram com suas operações. Foram elas: Caixa Seguridade (CXSE3), GPS Participações e Empreendimentos (GGPS3), Boa Safra Sementes (SOJA3) e ModalMais (MODL11).

Simule seus investimentos com um especialista e confira as melhores opções de acordo com seu perfil

Vale ressaltar que GPS e ModalMais concederam descontos para investidores comprarem suas ações.

Já a Caixa Seguridade precificou seu IPO dentro da faixa indicativa e captou R$ 5 bilhões com o IPO, enquanto a Boa Safra precificou no piso da faixa, movimentando R$ 463 milhões.

Como visto ao longo do mês de abril várias empresas optaram por adiar ou mesmo cancelar suas ofertas sob a alegação de que vão esperar uma janela mais favorável de mercado, dado que a demanda por suas ações ou o preço que estava sendo oferecido pelos investidores era aquém do esperado.

A incerteza sobre o cronograma de vacinação no País, intervenções do presidente Bolsonaro nas estatais e à falta de apetite do investidor por novas prejudicaram as operações previstas para abril.

Os hospitais Kora Saúde e Hospital Care, Infracommerce e Rio Alto Energias Renováveis decidiram suspender seus IPOs por 60 dias.

Já a Vittia Fertilizantes optou por cancelar sua oferta inicial de ações.

Blau Farmacêutica,  Allier Tecnologia e Hospital Mater Dei também fizeram suas estreias em Bolsa no mês de abril.

GPS Participações e Empreendimentos (GGPS3)

A GPS estreou na última segunda-feira (26) com valorização de 6,67%. A companhia movimentou R$ 2,6 bilhões em seu IPO.

Conforme o prospecto, os recursos levantados na oferta primária serão destinados para realizar aquisições, fortalecer sua capacidade financeira, e pagamento de dividendos aos acionistas.

GPS Participações foi fundada em 1962 em Salvador e tem cerca de 82 mil empregados e 2.400 clientes.

A companhia acredita ser o maior player do setor de prestação de serviços integrados, que incluem soluções de facilities, segurança, logística indoor, serviços de engenharia e manutenção industrial.

Caixa Seguridade (CXSE3)

A da Caixa Seguridade levantou R$ 5 bilhões com sua oferta inicial de ações. O preço sugerido da ação era de R$ 9,33 a R$ 12,67.

A novata na bolsa chega para competir no mercado de seguros com empresas como BB Seguridade (BBSE3), Porto Seguro (PSSA3) e Sul América (SULA11).

Braço de seguros da Caixa Econômica Federal, a Caixa Seguridade iniciou suas atividades em 2015 com foco em diversos tipos de seguros.

A Caixa Seguridade Participações é uma empresa controlada pela Caixa Econômica Federal.

A companhia oferece seguros nos ramos Habitacional, Prestamista, Vida e Residência, dentre outros, tendo suas atividades desenvolvidas principalmente por parcerias.

Boa Safra Sementes (SOJA3)

Também na quinta (29) tem IPO da Boa Safra Sementes, que pode levantar R$ 454,5 milhões. O preço sugerido da ação é entre R$ 9,90 e R$ 12,60.

A Boa Safra Sementes tem mais de 40 anos de mercado com atuação em estados representando 80% do território nacional, atuando nas regiões do Centro-Oeste, Sudeste, Norte e Nordeste.

Com sede em Goiás, a companhia atua há quatro décadas como multiplicadora de sementes de soja, milho e feijão. Hoje é considerada uma das maiores produtoras de sementes de soja do mercado.

Banco Modal (MODL11)

Na sexta, dia 30, quem chega à bolsa é o Banco Modal, que espera levantar R$ 1,5 bilhão, com ação sendo vendida em um intervalor entre R$ 24 e R$ 32,82.

Criado em 1995 por ex-sócios do Banco Garantia como uma DTVM, o grupo Modal passou por transformações que o tornaram primeiro no banco múltiplo Modal e, em 2018, no Modalmais, unindo as operações de plataforma de investimentos e banco digital.

O banco afirmou ter fechado 2020 com uma base de 1,1 milhão de clientes. O lucro líquido das operações continuadas atribuído aos controladores foi de R$ 43,248 milhões em 2020, alta de 16,8% em relação ao resultado em 2019.

Em junho passado, o banco firmou acordo por meio do qual concedeu ao Credit Suisse a opção de comprar até 35% do negócio, acordo que avaliou o Modalmais em cerca de 5 bilhões de reais.

Hospital Care Caledonia (HCAR3)

Antes previsto para dia 23, o IPO do Hospital Care Caledonia também foi adiado, mas para o dia 28, quarta-feira. O valor do IPO é de R$ 790,5 milhões. O preço sugerido da ação é de R$ 22,50 a R$ 28,50.

O Caledonia usa um conceito que agrega hospitais, clínicas e plano de saúde, sistema explorado por empresas como Hapvida e Notre Dame Intermédica; que permite ganho de eficiência e redução de custos em relação ao processo fragmentado do modelo tradicional, segundo a companhia.

O Caledonia tem hoje cinco desses hubs em Campinas, Ribeirão Preto e São José do Rio Preto, além de Florianópolis (SC) e Curitiba (PR).

A rede conta com 11 hospitais, 1.206 leitos e 24 clínicas e centros médicos, além de duas operadoras de saúde com cerca de 102 mil vidas. Outro hub deve ser aberto em Sorocaba (SP).

Rio Alto Energias Renováveis (RIOS3)

A empresa estreia na bolsa na quarta-feira (28). O IPO estava programado, inicialmente, para dia 23, mas foi adiado.

Fundado em 2009, o Grupo Rio Alto é especialista em desenvolvimento de projetos de energia renovável, comercialização de energia, construção civil e gestão de ativos e produtos estruturados.

Considerando os ativos, a companhia espera atingir 1,8 GW instalados até 2023, dos quais 93 MWp já estão em geração, 156 MWp estão em construção, 1.168 MWp estão previstos para ser implantados até 2022 e 402 MWp estão previstos para ser implantados até 2023.

A estratégia da Rio Alto passa pela venda da produção futura dos empreendimentos no chamado mercado livre de energia, onde grandes consumidores como industrias negociam preços e suprimento diretamente com fornecedores.

Em 31 de dezembro de 2020, a companhia possuía R$2,6 bilhões em contratos de compra e venda de energia de longo prazo, representativos de um volume de geração de energia de 14.209 GWh.

O IPO deve levantar R$ 805 milhões, com preço sugerido da ação entre R$ 15,87 e R$ 20,63.

Infracommerce (IFCM3)

Também na quinta-feira (29) estreia na bolsa a Infracommerce. O IPO deve levantar R$ 2 bilhões. A ação tem o preço sugerido de R$ 22 a R$ 28.

A empresa é responsáveis pela operação de e-commerce de empresas como Ambev, Nike, Motorola, Ray Ban, Unilever, entre outros.

O ecossistema de soluções digitais integradas da Infracommerce proporciona para marcas e indústrias liderarem suas jornadas de digitalização do go-to-market por meio de uma experiência ao consumidor excepcional.

“Acreditamos conseguir isso por meio de uma cultura focada em tecnologia, inteligência de dados, alta produtividade, eficiência e rentabilidade”, explica a empresa no prospecto preliminar.

Fundada no Brasil, a empresa tem hoje operações no México, Colômbia, Chile e Argentina.

A empresa ressalta que o mercado brasileiro de e-commerce representa uma oportunidade considerável pois a penetração do ecommerce ainda é baixa indicando potencial para sustentar fortes taxas de crescimento.

Vittia Fertilizantes e Biológicos (VITT3)

Em seu IPO a Vittia pretendia captar R$ 572,5 milhões. O preço sugerido da ação estava entre R$ 7,80 e R$ 9,80.

A empresa, com sede em São Joaquim da Barra (SP), e fundada em 1971, queria negociar suas ações no Novo Mercado, mais alto grau de governança da B3.

A oferta será primária – com recursos destinados ao caixa da empresa – e secundária – com recursos destinados aos vendedores.

A empresa iniciou suas atividades como um dos primeiros produtores nacionais inoculantes (fertilizantes biológicos) focados, inicialmente, no mercado de soja.

Kora Saúde (KRSA3)

Kora Saúde, tinha a pretensão de levantar R$ 1,7 bilhão com seu IPO. O preço sugerido da ação ficava entre R$ 11,20 e R$ 15,50.

A companhia informou que usaria os recursos captados na aquisição de ativos e ampliação dos existentes. Além disso, pretende inaugurar novos hospitais e expansão de outros segmentos.

Veja as empresas que desistiram de realizar IPO no mês de abril:

  • GRUPO FARTURA DE HORTIFRUT;
  • UNI.CO;
  • OLEOPLAN;
  • CTC – CENTRO DE TECNOLOGIA CANAVIEIRA;
  • VITTIA FERTILIZANTES E BIOLOGICOS;
  • CASA & VÍDEO BRASIL;
  • PRIVALIA BRASIL;
  • TEGRA INCORPORADORA;
  • INFRACOMMERCE CXAAS.

Confira a lista dos IPOs suspensos:

  • Rio Alto Energias Renováveis;
  • Kora Saúde;
  • Hospital Care Caledonia; e
  • Bionexo.

IPOs previstos para maio

Para o mês de maio estão previstos 5 ofertas iniciais de ações. Entre elas, a Athena Saúde, que tem pretensão de movimentar entre R$ 1 bilhão a R$ 2,5 bilhões.

Já a plataforma de oferta de serviços GetNinjas deseja captar entre R$ 500 milhões e R$ 700 milhões. Ambas estão em apresentações a analistas e investidores.

Outros IPOs marcados para maio são: Dotz, G2D Investimentos e Petrorecôncavo.

Cases da Bolsa

Aprenda análise fundamentalista de ações na prática, com maiores cases já criados na B3