IPO da Sulamericana: conheça a rede de supermercados do Paraná

Felipe Alves
Jornalista com experiência em reportagem e edição em política, economia, geral e cultura, com passagens pelos principais veículos impressos e online de Santa Catarina: Diário Catarinense, jornal Notícias do Dia (Grupo ND) e Grupo RBS (NSC).
1

Crédito: Supermercado Cidade Canção, da Sulamericana

O setor de varejo está prestes a ter mais uma empresa com ações negociadas na Bolsa de Valores. A Companhia Sulamericana de Distribuições, que registrou no ano passado um faturamento de R$ 2,4 bilhões, fez seu pedido de IPO (Oferta Inicial de Ações) no início de agosto.

A rede de supermercados criada em 1977 atua em regiões específicas do Paraná e de São Paulo. Com os recursos levantados no mercado de capitais, quer ampliar e consolidar sua presença nesses mercados.

Conheça mais sobre essa novata da bolsa, suas estratégias, resultados e planos com o IPO.

Participe do maior evento de investimentos da América Latina

Sobre a Sulamericana

A Sulamericana está presente no mercado varejista de produtos alimentícios há mais de 40 anos e figura entre as 20 maiores do varejo alimentar no país.

É dona de marcas como Cidade Canção, São Francisco, Amigão e Stock Atacadista. A empresa possui 56 lojas no formato supermercado e três lojas no formato atacarejo espalhadas em 28 cidades do norte do Paraná e da região noroeste de São Paulo.

A Sulamericana surgiu em 1977 como uma mercearia de 200 metros quadrados localizada na Vila Morangueira, em Maringá. Ali foi montada a primeira loja dos Supermercados Cidade Canção, fruto do espírito empreendedor de Manuel Marques Cardoso. Ele contou com a ajuda dos três filhos para tocar o negócio: Carlos Tavares Cardoso, Paulo Cardoso e Ângela Maria Cardoso Camilo.

Cinco anos depois, em 1982, foi aberto o armazém São Francisco. Ele pertencia à outra família, do italiano Valdir Nogaroli e seus quatro filhos: Jefferson Nogarolli, Valdir Nogaroli Junior, Francisco José Nogarolli e Jeane Nogarolli Guiotti. O prédio de 130 metros ficava no bairro das Palmeiras, também em Maringá.

As bandeiras Cidade Canção e São Francisco conquistaram o mercado de Maringá e região, tornando-se referências no setor. Em 2010, a concorrência virou aliança e as bandeiras se fundiram, originando a Companhia Sulamericana de Distribuição.

A fusão despertou o interesse de investidores externos. No mesmo ano,o fundo de private equity Actis comprou uma participação de 33% na companhia.

O plano de expansão da CSD teve sequência em 2014, com a aquisição da rede Amigão Supermercados, fundada em 2003, com sede em Lins/SP. Com a bandeira Amigão, a CSD passa, então, a atuar com força também no estado de São Paulo.

Em 2018, a companhia inaugurou sua quarta bandeira, Stock Atacadista, com o conceito de atacarejo (mescla de varejo e atacado).

Números da Sulamericana

A Sulamericana pertence ao grupo de maiores varejistas do setor no Brasil, ocupando a 17ª posição no Ranking ABRAS/SuperHiper 2020. Quando o critério é o número de lojas, a companhia está entre os dez maiores grupos do país.

A empresa tem um centro de distribuição de 30 mil m² localizado na cidade de Paiçandu, no Estado do Paraná e a 15 quilômetros de Maringá. Atualmente, o centro de distribuição tem capacidade para atender a 65 lojas.

Um novo centro de distribuição de 30 mil m² está em análise pela empresa. Assim, poderá dobrar a capacidade das lojas atualmente atendidas.

“Acreditamos que nosso modelo de negócio no formato supermercado, consolidado ao longo da nossa história, proporciona uma experiência de compra diferenciada aos consumidores finais, especialmente devido à nossa expertise na complexa gestão e logística de produtos perecíveis frescos (açougue, frutas, legumes e verduras, padaria, rotisserie), que representam, em média, 30% das vendas das nossas lojas”, diz a Sulamericana.

Indicadores financeiros

A receita líquida de vendas passou de R$ 1,1 bilhão no primeiro semestre de 2019 para R$ 1,2 bilhão no mesmo período de 2020. Ou seja, um crescimento de 13,8%.

No ano passado, a receita foi de R$ 2,4 bilhões, ante R$ 2 bilhões de dois aos antes.

O lucro líquido ajustado da Sulamericana atingiu R$ 25,1 milhões nos seis primeiros meses de 2020. Assim, a empresa teve um aumento de 33% com relação a 2019, quando lucrou R$ 18,9 milhões no mesmo período.

Já o Ebtida ajustado cresceu 20,9%, atingindo R$ 54,8 milhões nos seis primeiros meses de 2020.

IPO da Sulamericana

A Sulamericana apresentou pedido de IPO em 6 de agosto deste ano. O pedido está em análise pela CVM. Por isso, ainda não há informações de preços, datas e mais detalhes do IPO.

A oferta é primária e também secundária, sendo os acionistas vendedores os fundos de participações Actis, DVA e MMC. Os coordenadores da oferta são Itaú BBA, J.P. Morgan e Bradesco BBI.

As ações serão negociadas no Novo Mercado.

Estratégias de crescimento

A Sulamericana quer usar os recursos do IPO para a abertura de novas lojas e aquisições; infraestrutura de tecnologia e digitais; e expansão de novos negócios (serviços financeiros).

O foco será em explorar o potencial de crescimento nas regiões em que a empresa já atua. “Especialmente em razão da possibilidade de preenchimento de lacunas geográficas em praças em que ainda não atuamos e de consolidação do setor, o qual ainda é bastante fragmentado e pouco explorado pelas grandes redes varejistas de porte nacional”, diz a empresa.

Assim, a Sulamericana espera abrir novas lojas no formato de supermercado. E quer ainda adquirir concorrentes, primordialmente na região em que atua para consolidar a liderança regional.

“Acreditamos que a nossa estratégia de consolidação nas praças em que atuamos nos proporcionará retornos rápidos e atraentes, em vista do nosso histórico de sucesso na integração de aquisições e captura de sinergias com as lojas existentes nas regiões em que atuamos, gerando valor aos nossos acionistas”.

A Sulamericana também aposta no crescimento de lojas no segmento de atacado de autosserviço (ou seja, “cash and carry”). E quer ainda ampliar a plataforma de e-commerce, que foi aprimorada durante a pandemia. Em abril, o a plataforma atendia lojas de nove cidades e, em junho, passou a atender 26 cidades.