Lavvi (LAVV3): incorporadora da Cyrela (CYRE3) estreia na Bolsa em setembro

Felipe Alves
Jornalista com experiência em reportagem e edição em política, economia, geral e cultura, com passagens pelos principais veículos impressos e online de Santa Catarina: Diário Catarinense, jornal Notícias do Dia (Grupo ND) e Grupo RBS (NSC).
1

Crédito: Divulgação

Na fila de Ofertas Públicas Iniciais (IPOs) deste segundo semestre de 2020, a incorporadora Lavvi Empreendimentos Imobiliários (LAVV3) pode captar R$ 1,6 bilhão.

O período de reserva de ações para pequenos investidores começou nesta semana e vai até o dia 28 de agosto. No dia 2 de setembro, a Lavvi passará a ser listada na B3.

Praticidade e precisão, saiba quais melhores investimentos e como melhorar rentabilidade de suas ações

A empresa tem sociedade com outra grande incorporadora do mercado, a Cyrela (CYRE3), que detém 45% de participação da Lavvi.

A Lavvi engrossa o time de empresas do setor de construção que farão (ou já fizeram) sua estreia na bolsa neste ano.

Elas aproveitam o cenário de taxa de juros baixa, com mais facilidade de crédito para a população, para levantar recursos e crescer. Estima-se que o setor deve movimentar cerca de R$ 10 bilhões com as novatas na B3.

Além da Lavvi há ainda outras duas empresas do setor imobiliário pertencentes à Cyrela que devem fazer IPO este ano: a Plano & Plano e a Cury Construtora.

Mas o segmento tem ainda mais empresas na fila de IPO, como a construtora Nortis, a You Inc e o Grupo Kallas. Antes da pandemia, em fevereiro, duas empresas do setor fizeram IPOs: Mitre Realty (MTRE3) e Moura Dubeux (MDNE3).

  • Neste texto, você vai conhecer mais sobre a Lavvi e como será o IPO da empresa. Nas próximas semanas, traremos mais informações sobre outras “Novatas da Bolsa”.

Sobre a Lavvi

A Lavvi é uma incorporadora e construtora familiar que atua no mercado de empreendimentos residenciais e não residenciais desde 2016. Noventa por cento do negócio é controlado pela Cyrela e pela RH Empreendimentos Imobiliários.

A empresa tem oito empreendimentos, 1.963 unidades lançadas, totalizando aproximadamente 130 mil m² de área privativa útil e R$1,1 bilhão de Valor Geral de Vendas (VGV). O foco principal é nos setores de médio e alto padrão. Todos os empreendimentos são localizados na cidade de São Paulo.

Até julho, a Lavvi tinha ainda aproximadamente outros 299 mil m² de área privativa para a construção de nove novos empreendimentos na região metropolitana de São Paulo. Assim, segundo a empresa, eles totalizam aproximadamente R$2,69 bilhões de VGV.

“Impulsionada pela a família Horn, que atua no setor imobiliário há mais de 50 anos, a Lavvi reúne a expertise imobiliária da Cyrela e a capacidade comercial de seu corpo executivo atual, encabeçado por Ralph Horn”, descreve a empresa.

A Cyrela “acredita que o acesso da Lavvi ao mercado de valores mobiliários poderá favorecer a capitalização da sociedade e o desenvolvimento de suas atividades e negócios”.

Ralph iniciou sua trajetória no setor imobiliário em 1987 e trabalhou por 13 anos na Cyrela. Ele passou pelas áreas financeira e comercial, e trabalhou diariamente com Elie Horn (de quem é sobrinho). Segundo a empresa, Ralph participou ativamente do crescimento da Cyrela. Nos últimos quatro anos, foi o diretor responsável pelo desenvolvimento de produtos, aquisição de terrenos e corpo de vendas da empresa.

Hoje Ralph comanda a Lavvi, que tem ainda Elie como presidente do conselho de administração. O irmão e o filho de Ralph também fazem parte da empresa.

Money Week 5ª Edição

5 Dias de Evento | 70 Autoridades do Mercado Financeiro | 20 Horas de Conteúdo

Números dos empreendimentos da Lavvi

Lucro crescente

Os resultados da Lavvi vêm crescendo nos últimos anos. Assim, a empresa passou de um prejuízo de R$ 1,2 milhão, em 2017, para um lucro R$ 64 milhões no ano passado.

Nos primeiros seis meses deste ano, o lucro da Lavvi também cresceu no comparativo com o mesmo período de 2019. Passou de R$ 24,7 milhões para R$ 28,8 milhões.

Mas a dívida bruta da empresa também cresceu. Passou de R$ 3 milhões em 2017 para R$ 64 milhões em 2019.

O índice de alavancagem no primeiro semestre de 2020, representado pela dívida líquida sobre o patrimônio líquida, foi de 5,25%.

O caixa líquido da Lavvi encerrou 2019 em R$ 12 milhões contra R$ 22,4 milhões no final de 2018.

Os números da Lavvi

Sobre o IPO

A precificação das ações da Lavvi será feita em 31 de agosto. Já a negociação na Bolsa começa em 2 de setembro.

A faixa indicativa de preço da oferta está situada entre R$ 11,00 e R$ 14,50 por ação.

Com isso, o IPO da Lavvi tem potencial para movimentar R$ 1,6 bilhão.

A oferta será coordenada por BTG Pactual, Bradesco BBI, Itaú BBA e XP.

Incorporadora Lavvi

 

Os planos da Lavvi

Em janeiro de 2020 a Lavvi fez um aumento de capital e reestruturação societária, com a aquisição da empresa Vinson.

Com os recursos do IPO, a Lavvi pretende investir de três formas. O primeiro é na aquisição de terrenos em São Paulo para desenvolver novos empreendimentos. O segundo é para despesas administrativas, marketing e vendas. Por fim, o terceiro objetivo é o pagamento antecipado de CRI no valor de R$ 50 milhões.

Hoje, a estrutura societária da Lavvi é a seguinte: 45% é da Cyrela, 45% é da RH e 10% é de Moshe Horn. Após a conclusão da oferta, a Cyrela e a RH passarão a deter 19% cada, Moshe terá 4,2%. Os outros 57,62% serão comprados pelo mercado.