IPC-S avança na primeira prévia de agosto, puxado por alimentos

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Reprodução/Pixabay

O Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S), divulgado nesta segunda-feira (10) pela Fundação Getulio Vargas, avançou para 0,54%, ante 0,49% da semana passada. Esta foi a primeira leitura do mês de agosto. E foi o primeiro avanço semanal depois de duas leituras com recuo nos preços.

Quatro das oito classes de despesa componentes do IPC-S registraram acréscimo em suas taxas de variação. A maior contribuição partiu do grupo Alimentação. A leitura foi de 0,13% para 0,36%. Destaque para hortaliças e legumes, cuja taxa passou de -11,90% para -10,29%.

Também representou alta no IPC-S o grupo Vestuário, que foi de -0,45% para -0,18%). Comunicação foi de 0,54% para 0,73%. E Despesas Diversas foi de 0,22% para 0,31%.

Ferramenta ajuda na escolha de suas ações de acordo com balanços

Em contrapartida, os grupos Saúde e Cuidados Pessoais recuou de 0,58% para 0,52%. Habitação foi de 0,79% para 0,76%. E Transportes , de 1,22% para 1,19%.

O grupo Educação, Leitura e Recreação repetiu a taxa de variação de -0,60% registrada na última apuração.

A próxima apuração do IPC-S, com dados coletados até o dia 15 de agosto será divulgada no dia 17.

Entenda o IPC-S

O IPC-S avalia a variação da inflação em um período de quadrissemana (dividindo o mês em quatro períodos de checagem). Isto em sete capitais do país. São elas: Salvador, Brasília, Belo Horizonte, Recife, Rio de Janeiro, Porto Alegre e São Paulo.