IPC-S, da FGV, sobe 1,43% em setembro e acumula alta de 9,61% em 12 meses

Victor Meira
Com formação em Ciências Sociais e Jornalismo, experiência em redação nas editorias de esportes, empregos, concursos, economia e política.
1

Crédito: Reprodução/Agência Brasil/Tânia Rego

O Índice de Preços ao Consumidor – Semanal (IPC-S) cresceu 1,43% na quarta quadrissemana de setembro. Com isso, o índice registra alta de 9,61% nos últimos 12 meses. A pesquisa foi divulgada nesta sexta-feira (01) pela Fundação Getúlio Vargas (FGV).

A evolução recente da variação acumulada em 12 meses encontra-se no gráfico abaixo:

O levantamento indica que cinco das oito classes de despesa componentes do índice registraram acréscimo em suas taxas de variação.

A maior contribuição para o resultado do IPC-S partiu do grupo Habitação cuja taxa de variação passou de 2,15%, na terceira quadrissemana de setembro de 2021 para 2,59% na quarta quadrissemana de setembro de 2021. Ainda em relação sobre esse grupo, vale destacar o comportamento do item tarifa de eletricidade residencial, cujo preço variou 8,52%, ante 6,27% na edição anterior do IPC-S.

Além deles, outros itens registraram acréscimo em suas taxas de variação: Educação, Leitura e Recreação (2,25% para 2,90%), Transportes (1,32% para 1,50%), Comunicação (0,21% para 0,39%) e Despesas Diversas (0,29% para 0,30%). 

Nas classes citadas acima, vale mencionar o comportamento dos itens: passagem aérea (17,61% para 22,70%), gasolina (2,75% para 3,38%), combo de telefonia, internet e TV por assinatura (0,48% para 1,04%) e cigarros (0,48% para 0,58%).

Por outro lado, os grupos Saúde e Cuidados Pessoais (0,31% para 0,14%), Vestuário (0,39% para 0,28%) e Alimentação (1,13% para 1,09%) tiveram uma diminuição em suas taxas de variação. Nestas classes de despesa, vale citar os itens: artigos de higiene e cuidado pessoal (0,52% para -0,01%), calçados infantis (0,00% para -1,12%) e aves e ovos (4,31% para 3,81%).

Sobre o IPC-S

O IPC-S é um sistema de índices de preços ao consumidor feito pela FGV. 

Apesar da coleta ser semanal, a apuração das taxas de variação leva em conta a média dos preços coletados nas quatro últimas semanas até a data de fechamento. O intervalo entre o fim da coleta e sua divulgação é de um dia, sendo um dos mais curtos, inclusive para padrões internacionais.