Que tal investir o seu 13º salário (ou parte dele)?

Paulo Filipe de Souza
Colaborador do Torcedores
1

Crédito: imagem: Freepik

Chega o final do ano e começam os pagamentos do 13º salário. Tem quem use-o para quitar as dívidas, outros para aproveitar o verão e tem quem queira usar para investir. Por ser um rendimento a mais, o décimo terceiro é uma boa oportunidade para quem quer começar a investir esse extra.

O ano sempre começa com o pagamento de algumas contas clássicas: IPVA, seguros, IPTU e reajustes de condomínio e aluguel. Por isso, gastar todo o 13º sem levar essas contas em consideração pode não ser uma boa escolha.

Para começar 2020 com mais dinheiro, poupar e investir podem trazer rendimentos futuros. Você não precisa de grandes quantias para se tornar um investidor, até mesmo com uma parcela do 13º é possível ter uma boa rentabilidade.

Ferramenta ajuda na escolha de suas ações de acordo com balanços

Opções para investir o 13º salário

O mercado financeiro tem infinitas opções para os mais variados tipos de investidores. Para saber qual o melhor tipo de investimentos é preciso saber quais resultados você procura. Ou seja, alguma opção se encaixa no seu perfil de investidor. Vamos a algumas opções de investimentos:

Renda Fixa

Os investimentos em renda fixa – tipo de aplicação que já possui as regras de remuneração definidas – são uma recomendação para quem quer investir sem correr riscos e ter maiores resultados a longo prazo. Diversos investimentos de renda fixa têm a rentabilidade maior que a poupança.

Um exemplo de investimento em renda fixa é o Comprovante de Depósito Bancário. Também conhecido como CDB, um título privado de renda fixa emitido por instituições financeiras. Ou seja, investir em CDB é como se você estivesse emprestando dinheiro para os bancos.

A rentabilidade anual do CDB deve ficar acima de 6% para este ano. Digamos que você invista mil reais em CDB por 3 anos. Ao final, o valor teria rendido 18%.Mas a rentabilidade pode ser ainda maior.

Quanto maior o risco do banco, maior pode ser rendimento. Isso também acontece com prazos maiores, quanto maior o vencimento maior a rentabilidade.

Fundos Imobiliários

Os Fundos Imobiliários também são uma opção de investimento, inclusive uma maneira de começar a trabalhar a aposentadoria. Quem investe neles, lucra com a renda de aluguéis e com a compra e venda de imóveis.

Os Fundos Imobiliários são uma alternativa para os investimentos em renda fixa que estão com a rentabilidade menor. Além disso, essa opção é acessível e gera rendimentos isentos de Imposto de Renda. Os FII’s são investimentos de renda variável, diferente da renda fixa.

Os fundos que tiveram as melhores rentabilidades alcançaram uma média de 0,90% ao mês até agora. A longo prazo, os FII’s garantem altos rendimentos. Se você quer uma aplicação para complementar a aposentadoria, os Fundos Imobiliários têm cumprido esse papel.

Mercado de Ações

Outra opção de aplicação para investir o 13º é o mercado de ações. Esses ativos podem ter rentabilidades muito altas. Por isso, os riscos destes investimentos é maior.

Para aplicar em ações é preciso acompanhar o mercado e o cenário dos ativos. É possível comprar ou vender ações das empresas e lucrar com essas operações. Além disso, muitas empresas têm divisão dos lucros que garante um rendimento.

Para quem não tem experiência e mesmo assim quer investir na Bolsa de Valores, saiba que é possível investir em fundos de ações. Nesta opção, um gestor administra ativos com os recursos de diversos investidores.

Diversificação de investimentos

Com tantas oportunidades e opções, você pode construir uma carteira de investimento com o seu 13º salário. Se seus objetivos são a longo prazo, é possível usar o “décimo” como pontapé.

Além disso, você pode diversificar a sua carteira de investimento. Para isso, é preciso dividir em parcelas o valor que você quer aplicar e fazer pequenos investimentos. Desta forma, você consegue investir em diversas opções e ter uma carteira com menos riscos.

Você já pensou em quanto teria rendido o seu último décimo terceiro se você tivesse investido?

 

 

LEIA MAIS 

Fundos imobiliários: o que são e como funcionam