ICF de setembro tem maior nível desde março, aponta CNC

Karin Barros
Jornalista com atuação nos dois principais jornais impressos da Grande Florianópolis por quase 10 anos. Costumo dizer que sou viciada em informação, por isso me encantei com a economia, que une tudo de alguma forma sempre. Atualmente também vivo intensamente o mundo da assessoria de imprensa e do PR.

Crédito: Freepik

Foram divulgados pela CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo), nesta quinta-feira (16), os dados da pesquisa de ICF (Intenção de Consumo das Famílias) de setembro, apontando crescimento de 1,9%, ainda abaixo do nível de satisfação.

A ICF atingiu 72,5 pontos em setembro, o maior nível desde março de 2021 (73,8 pontos). O principal destaque positivo foi o indicador de Perspectiva de Consumo, que cresceu +3,7%.

Praticidade e precisão, saiba quais melhores investimentos e como melhorar rentabilidade de suas ações

No mês anterior, o ICF havia subido 2,1% ante julho, para 70,2 pontos, tendo uma alta de 6,1% ante a 2020.

O avanço foi resultante da melhora no Consumo Atual. Isto porque o percentual de famílias que consideram seu consumo menor (55,7%) alcançando o menor nível desde maio de 2020, de acordo com a CNC.

Contudo, o Momento para Duráveis apresentou a única queda do mês (-0,5%). Ao passo que Acesso ao Crédito obteve a única queda na comparação anual (-0,1%).

Money Week 5ª Edição

5 Dias de Evento | 70 Autoridades do Mercado Financeiro | 20 Horas de Conteúdo



À Agência Brasil, a economista Catarina Carneiro da Silva, responsável pela pesquisa, afirmou que apesar do impacto da inflação, a situação das famílias é considerada melhor.

ICF: alta de 67,6 pontos frente a setembro de 2020

Setembro foi melhor do que o mesmo mês do ano passado. Apresentou 67,6 pontos. Apesar disso, índice permaneceu abaixo do nível de satisfação (100 pontos). Isto ocorre desde abril de 2015.

Em relação a setembro de 2020, houve elevação de +7,2%, a terceira taxa positiva seguida e a mais intensa do período.

Faixa de renda

Na avaliação por faixa de renda, as famílias com ganhos acima de 10 salários mínimos revelaram nível de insatisfação de 90,1 pontos. Houve, portanto, avanço mensal de +1,4%. E anual de +16,9%.



Para as famílias com renda abaixo de 10 salários mínimos, o indicador atingiu 68,8 pontos e representou insatisfação também desta parcela dos consumidores, já que o índice  permaneceu abaixo dos 100 pontos.

No mês, houve alta de +2,1%, enquanto na comparação anual cresceu +4,6%.

Critério por região

O Norte registrou a única queda mensal de setembro (-1,9%). O Sudeste foi a região com maior oscilação positiva (+3,5%).

As famílias do Sul foram as mais confiantes (82,3 pontos), mesmo estando em nível insatisfatório; e as do Norte (55,1 pontos), as que apresentaram menor indicador.

A maioria das regiões registrou alta na comparação anual, sendo o Norte a única com taxa negativa (-19,1%) e o Sudeste com a mais positiva (+10,6%).