Injeção de recursos na economia soma R$ 367,6 bi, informa Febraban

Marcello Sigwalt
null

Crédito: Expresso PB

De 16 de março a 30 de abril, a economia recebeu uma injeção de recursos de R$ 367,6 bilhões, resultante de novas contratações (R$ 326,8 bilhões) e alívio de caixa (R$ 40,8 bilhões) em razão da suspensão de parcelas.

Somado à renovação de operações (R$ 105 bilhões), os três componentes citados alcançam o montante de R$ 472,6 bilhões no período.

A informação foi publicada pela Federação Brasileira dos Bancos (Febraban), em seu site, nesta segunda-feira (11), ao explicar que essas iniciativas tiveram por finalidade “garantir que empresas e famílias tivessem condição de honrar compromissos”.

Saldo devedor

Mas se consideradas concessões e renovações com o saldo devedor de todas as repactuações totaliza R$ 856,7 bilhões.

Sem referência

Mesmo sem fornecer dados de referência de igual período de 2019, a título de comparação, a Febraban explicou que o valor global mencionado decorre da maior demanda por crédito bancário, pela “forte incerteza na economia, recuo das operações no mercado de capitais e do cancelamento de linhas de financiamento externo ao Brasil”.

Demanda aquecida

Outro indicador, relativo a igual período, a demanda aquecida atual é o de Pessoa Jurídica, cujas concessões no segmento livre acusou alta de 75,5%, considerando a média por dia útil para cada período.

Ao mesmo tempo, o total de contratações de operações de crédito chegou a R$ 326,8 bilhões.

Pane econômica

A pane econômica também turbinou as renegociações, que atingiram 7,4 milhões de contratos com operações em dia, cujo saldo devedor somou R$ 425 bilhões.

Operações repactuadas

Já as parcelas suspensas dessas operações repactuadas totaliza R$ 40,8 bilhões.

Alívio temporário

O entendimento da Febraban é de que essas iniciativas, de combate aos efeitos da pandemia, “trazem alívio financeiro imediato, tanto para empresas quanto para Pessoas Físicas, que passaram a contar com prazos de carência de 60 a 180 dias para pagar as prestações”.