Infracommerce (IFCM3) estreia na B3 (B3SA3) com ações em queda

Victória Anhesini
Jornalista formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie
1

Crédito: Divulgação/Infracommerce

A Infracommerce (IFCM3) estreou na B3 (B3SA3) nesta terça-feira (4) em alta. Ao final da sessão de hoje, as ações fecharam em queda de 1,55%, a R$ 15,75. No início do pregão, perto das 10h30, as ações subiam 1,88%.

A empresa chegou a suspender o IPO, mas retomou o processo uma semana após a estreia prevista. No fim, a Infracommerce reduziu o preço inicial dos papéis, à R$ 16. O valor ficou 27% abaixo do piso da faixa, que varia de R$ 22 até R$ 28.

A oferta levantou aproximadamente R$ 870 milhões e envolveu apenas investidores institucionais, não houve venda de ações para os investidores no varejo. Os coordenadores da oferta foram Itaú (líder), BTG Pactual, Goldman Sachs e Morgan Stanley.

A emissão primária foi de 54.375.000 ações ordinárias, com a possibilidade de adicionar lote suplementar de 8.156.250 papéis em até 30 dias. Com a oferta, o capital social da empresa ficou em R$ 942.129.936.

Sobre a Infrecommerce (IFCM3)

A Infracommerce é uma companhia de soluções digitais focada no negócio de e-commerce para o consumidor final pessoa física ou outras empresas na América Latina.

O ecossistema de soluções digitais integradas da Infracommerce proporciona para marcas e indústrias liderarem suas jornadas de digitalização do go-to-market por meio de uma experiência ao consumidor excepcional.

“Acreditamos conseguir isso por meio de uma cultura focada em tecnologia, inteligência de dados, alta produtividade, eficiência e rentabilidade”, explica a empresa no prospecto preliminar.

Fundada no Brasil, a empresa tem hoje operações no México, Colômbia, Chile e Argentina. Ainda mais, a companhia é responsável pelo de e-commerce de empresas como Ambev, Hershey’s, Nike, Motorola, Bayer, Ray Ban e Unilever.

A empresa ressalta que o mercado brasileiro de e-commerce representa uma oportunidade considerável. De acordo com eles, a penetração do e-commerce ainda é baixa indicando potencial para sustentar fortes taxas de crescimento.

Além disso, a empresa afirma ser a maior empresa de Full Service para negócios digitais. Ou seja, atuando com um conceito modular, reunindo plataforma, marketing, conteúdo, pagamento, logística e SAC em 3 núcleos centrais. Estas são: Plataforma Omnichannel, Marketing & Vendas e Operações.