Expectativa de inflação sobe para 4,7% no ano entre consumidores, aponta FGV

Victória Anhesini
Jornalista formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie
1

Crédito: Expectativa de Inflação dos Consumidores - FGV

A Fundação Getulio Vargas (FGV) divulgou nesta terça-feira (22) que a expectativa mediana de inflação dos consumidores brasileiros para os próximos 12 meses subiu 0,4 ponto percentual em setembro, chegando a 4,7%. Com esses resultados, se encerra a tendência de queda iniciada em maio deste ano. 

“Após atingir o menor valor da série no mês anterior, a expectativa de inflação mediana dos consumidores voltou a subir em setembro em todas as faixas de renda. Apesar da estabilidade dos preços de alguns bens e serviços, o aumento persistente dos itens de alimentação no domicílio pode estar influenciando as expectativas principalmente nos consumidores de renda mais baixa”, afirma Renata de Mello Franco, economista da FGV IBRE.

“Para os próximos meses, é possível que a mediana se distancie cada vez mais do mínimo, considerando as constantes revisões nas projeções de mercado e a possibilidade dos preços dos alimentos seguirem pressionados”, completa.

Meta de inflação

Conforme a pesquisa, 54,4% dos consumidores projetaram valores abaixo da meta de inflação para 2020 (4,0%) em setembro, o que representa 3,1% abaixo do mês anterior. 

A proporção de consumidores projetando acima do limite superior da meta de inflação para 2020 (5,5%) cresceu 2,5 pontos percentuais (p.p.), de 28,3% para 30,8%, encerrando tendência de queda iniciada em maio de 2020.

Por fim, as expectativas medianas para a inflação nos próximos 12 meses subiram em todas as faixas de renda, mas principalmente para os consumidores de menor poder aquisitivo. Estes são os mais afetados pelos preços de alimentos no momento, cujas expectativas subiram 0,6 p.p., de 4,9% para 5,5%, a maior variação positiva desde maio de 2018 (0,7 p.p.).

De acordo com o relatório Focus divulgado pelo Banco Central na última segunda-feira (21), os analistas do mercado financeiro elevaram a estimativa de inflação para 2020 de 1,94% para 1,99%. Esta é a sexta alta consecutiva do indicador. Para 2021, o mercado financeiro manteve em 3,01% sua previsão de inflação.