Número de infectados aumenta em 12 capitais reabertas; veja o que é notícia neste domingo

Felipe Moreira
Felipe Moreira é Graduado em Administração de empresas e pós-graduado em Mercado de Capitais e Derivativos pela PUC - Minas, com mais de 6 anos de vivência no mercado financeiro e de capitais. Apaixonado por educação financeira e investimentos.
1

Crédito: Reprodução/ Pixabay

Após medidas de flexibilização do isolamento social, pelo menos 12 capitais brasileiras observaram aumento nos casos de infectados por Covid-19, conforme informou reportagem Estadão.

Devido ao aumento de casos, algumas cidades recuaram na retomada das atividades e implementaram medidas mais restritivas.

A reportagem do Estadão comparou a média do fim de junho com a da reabertura em cada capital, independentemente do grau de liberação, que varia de um local para outro.

Conforme a apuração, depois do retorno de atividades não essenciais, houve crescimento de infectados por dia em São Paulo, Belo Horizonte e Vitória, na região Sudeste.

Já no Sul, as três capitais também registraram mais casos: Curitiba, Florianópolis e Porto Alegre.

Outras cidades que sofreram alta são Brasília, Campo Grande e Cuiabá, no Centro-Oeste, além de Salvador e João Pessoa, no Nordeste, e de Palmas, na região Norte.

A elevação no número de casos não é igual em todo o país. Em São Paulo, cujo plano de reabertura gradual foi implementado no início de junho, o número de casos diários subiu 15%, variação que não levou ao aumento de internações.

Enquanto Brasília, onde o comércio foi reaberto no fim de maio, os índices quintuplicaram ao longo do mês passado.

Junho registra alta no volume de vendas

As vendas registradas por meio de notas fiscais eletrônicas no Brasil em junho atingiram o maior volume do ano, com uma média diária de R$ 23,9 bilhões, conforme dados da Receita Federal.

Houve crescimento de 15,6% na comparação com maio e de 10,3% em relação ao mesmo período do ano passado.

Conforme reportagem do Estadão, essas notas funcionam como um “termômetro” da atividade econômica porque registram negócios que ocorrem diariamente.

Abatedouros da JBS (JBSS3) e BRF (BRFS3) têm exportações suspensas para China

A China interrompeu no sábado (4) as exportações de mais dois frigoríficos brasileiros. A Administração Geral de Alfândegas do país (GACC) retirou os abatedouros de suínos da BRF em Lajeado (RS) e da JBS em Três Passos (RS) da lista de plantas autorizadas a vender ao país.

Os dois abatedouros registraram casos de covid-19 entre funcionários. No caso da BRF de Lajeado, a instalação já havia sido interditada por decisão judicial. Com as suspensões, o Brasil passou a contar com 14 frigoríficos de suínos autorizados a vender aos chineses.

As autoridades chinesas vêm bloqueando diversos frigoríficos em todo mundo por causa da contaminação de covid-19 entre funcionários. Ontem (5), a GACC também informou que Argentina, Holanda, Itália e Reino Unido interromeram voluntariamente as exportações de alguns frigoríficos.

Anvisa autoriza testes para outra vacina contra covid-19

A Anvisa autorizou a chinesa Sinovac Biotech a realizar testes para uma nova vacina contra o Covid-19.

O teste da vacina será feito em 9 mil pessoas, nos estados de São Paulo, Rio Grande do Sul, Minas Gerais e Paraná e Distrito Federal. As informações são da Agência Brasil.

Foram realizados estudos não-clínicos em animais, cujos resultados demonstraram que a vacina apresenta segurança aceitável. A vacina é feita a partir de cepas inativadas do novo coronavírus.