Indicadores da indústria e varejo têm forte queda nos EUA

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Reprodução/Pixabay

Relevantes indicadores da indústria e do varejo nos EUA foram divulgados nesta terça-feira (15) e revelaram o impacto da pandemia de coronavírus na economia norte-americana.

Vendas no varejo caem mais de 8% em março

As vendas no varejo nos EUA registraram queda de -8,7% em março, informou o Census Bureau. A expectativa do mercado era por -8%. Em fevereiro, o indicador ficou em -0,4% (valor reajustado; a primeira divulgação registrou -0,5%).

As estimativas de vendas no varejo, incluindo venda de alimentos, para março foram de US$ 483,1 bilhões. Em fevereiro, foram de US$ 529,3 bilhões.

Em relação a março do ano passado, a queda registrada é de 6,2%. De janeiro a março deste ano, há um avanço de 1,1% nas vendas.

Produção industrial nos EUA tem queda de 5%

A produção industrial total caiu 5,4% nos EUA em março. A projeção era de -4%. Em fevereiro, o índice registou -0,5% (reajustado – a leitura anterior era de 0,6%).

A queda excluindo manufatura foi de 6,3%.

A maioria das grandes indústrias registrou quedas, com destaque para o declínio registrado pelas montadoras e fabricantes de peças de automóveis, segundo relatório do Federal Reserve.

As reduções foram as maiores desde janeiro de 1946 e fevereiro de 1946, respectivamente.

A utilização da capacidade do setor industrial diminuiu 4,3 pontos percentuais, para 72,7% em março, uma taxa que é 7,1 pontos percentuais abaixo da média de longo prazo (1972–2019).

Índice Empire State desaba

O Índice Empire State também foi divulgado pelo Federal Reserve de Nova York e o resultado veio desanimador.

O indicador despencou quase 57 pontos, indo de -21,50 em março para -78,20 em abril. Este é o nível mais baixo já registrado na história do índice nos EUA.

De acordo com o relatório do Fed, os prazos de entrega aumentaram e os estoques caíram. Os níveis de emprego caiu a um ritmo recorde também. Houve queda nos preços dos insumos e nos preços de venda.

Na avaliação das empresas consultadas na pesquisa, as condições empresariais voltam a melhorar em aproximadamente seis meses.

O indicador mede a saúde econômica das indústrias dos EUA por meio de um levantamento com cerca de 200 empresas. Valores acima de 0 indicam melhorias nas condições, enquanto valores abaixo de 0 indicam pioras.