Índices de confiança de serviços e do comércio sobem em junho, aponta FGV

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Foto: Pixabay

A FGV divulgou nesta terça-feira (29) os índices de confiança de Serviços e do Comércio de junho. A confiança de Serviços subiu 5,7 pontos, chegando a 93,8 pontos, maior valor desde o início da pandemia. Já a confiança do Comércio subiu 2 pontos, chegando a 95,9 pontos, nível mais alto desde setembro de 2020.

“A confiança do setor de serviços fecha o primeiro semestre em alta atingindo o maior nível desde o início da pandemia. O resultado positivo desse mês foi influenciado pela percepção de melhora do volume de serviços e avanço das expectativas em relação aos próximos meses. A ampliação do programa de vacinação, redução das medidas restritivas e melhora na confiança dos consumidores ajudam a explicar o momento de recuperação do setor. A continuidade desses fatores positivos é fundamental para o andamento do cenário de retomada nos próximos meses”, avalia o economista Rodolpho Tobler.

O Índice de Situação Atual subiu 4,7 pontos, para 88,7 pontos, maior nível desde fevereiro de 2020 (90,2 pontos). O Índice de Expectativas avançou 6,7 pontos, para 99,1 pontos, maior patamar desde janeiro de 2020 (100,9 pontos).

confiança de serviços

Reprodução/FGV

Confiança do Comércio

Já a confiança do comércio subiu pelo terceiro mês consecutivo, consolidando a tendência positiva que o setor vem passando após período de medidas mais restritivas no final do primeiro trimestre de 2021.

“O resultado positivo desse mês foi influenciado pela percepção de aumento do ritmo de vendas, enquanto as expectativas voltaram a oscilar, sugerindo que o cenário para os próximos meses ainda apresenta riscos. A melhora da confiança do consumidor, ampliação da vacinação e recuperação do mercado de trabalho são fatores que podem solidificar essa retomada. Mas a incerteza e o risco de novas ondas da pandemia ainda pesam no sentido oposto”, diz Tobler.

O Índice de Situação Atual subiu 9,3 pontos para 104,2 pontos, maior valor desde outubro de 2020 (105,1 pontos), enquanto o Índice de Expectativas recuou 5,9 pontos para 87,6 pontos.

confiança do comércio

Reprodução/FGV