Índice VIX: Entenda como funciona este índice de volatilidade

Natalia Gómez
Editora, é jornalista especializada no mercado de investimentos há 17 anos. Formada pela PUC-SP, teve experiências em veículos como Agência Estado, Valor Econômico e Revista Você SA; e na área de comunicação corporativa e relações públicas para instituições financeiras.

Crédito: reprodução/ferandogoes

Em tempos de turbulência do mercado, um termo que costuma aparecer no noticiário é o Índice VIX, também conhecido como índice do medo.

Na realidade, o VIX é um indicador de volatilidade do mercado de ações dos Estados Unidos. Ele mede a volatilidade das opções sobre ações do principal índice do mercado norte-americano, o S&P 500.

Em resumo, seu objetivo é refletir a expectativa do mercado para os próximos 30 dias.

Juliano Custódio. Henrique Bredda. Luiz Barsi. Gustavo Cerbasi.

Estamos Ao Vivo!

Como funciona o VIX

Em inglês, seu nome é Volatility Index. Criado em 1993, ele é calculado pela Chicago Board Options Exchange (CBOE). 

Quanto mais alto ele estiver, mais elevada é a volatilidade no preço dos ativos. Ou seja, mais os preços estão variando.

Significa que um VIX em níveis recordes é sinônimo de tensão e turbulência para os investidores, com muito risco no mercado.

Índice do medo na história

Um dos momentos em que o VIX atingiu um pico foi na crise de 2008, chegando a 80,86 em 20 de novembro daquele ano. Mas ele voltou a esquentar com a pandemia do coronavírus, quando passou a marca de 81.

Veja o gráfico abaixo:

Não tem no Brasil

No Brasil, não existe um índice de volatilidade. Por isso, o mercado usa o VIX como referência, inclusive porque o mercado norte-americano é uma referência muito importante para os mercados de todo o mundo.

Você pode usar o VIX como uma ferramenta a mais para te ajudar na avaliação do cenário do mercado. Quanto mais elevado ele estiver, mais cautela e atenção o investidor deve ter na hora de operar.