Índice Nacional da Construção Civil sobe 0,30% em janeiro, aponta IBGE

Bruno de Oliveira
Jornalista e técnico em administração e negócios.
1

Crédito: Michael Gaida / Pixabay

O Índice Nacional da Construção Civil (INCC/Sinap) subiu 0,30% em janeiro na comparação com dezembro de 2019, quando a taxa registrada foi de 0,22%. Em relação ao primeiro mês do ano passado, observa-se uma queda de 0,12 p.p. No acumulado dos últimos doze meses, a alta foi de 3,91%. Os dados foram divulgados nesta sexta-feira (07) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Pelo levantamento, o valor nacional da construção civil, por metro quadrado, passou de R$ 1.158,81 no final de 2019 para R$ 1.162,24 em janeiro. Deste total, R$ 609,39 são referentes aos materiais e R$ 552,85 à mão de obra.

O custo dos materiais teve variação positiva de 0,62% em janeiro, ante -0,13% apresentado em dezembro. Em contrapartida, as despesas com mão de obra ficaram em -0,06% no início de 2020, muito abaixo do patamar de 0,59% apurado no encerramento de 2019.

Em doze meses, o valor dos materiais acumulou alta de 4,99%, e os gastos com mão de obra atingiram 2,71%.

Construção civil por região

Das áreas pesquisadas, a região Norte foi a que apresentou a maior variação mensal referente aos materiais, 0,54%. Em segundo lugar, está a região Nordeste, com 0,46%. O Centro-Oeste registrou 0,45%. Sudeste e Sul ocupam os dois últimos lugares, com 0,17% e 0,05%, respectivamente.

Com relação aos custos com construção civil por região, o maior valor apurado, por metro quadrado, foi no Sul, R$ 1.223,27. Em seguida, aparece o Sudeste, R$ 1.210,88. O Norte aparece em terceiro lugar, com R$ 1.175,74. O preço no Centro-Oeste é R$ 1.171,04. O Nordeste fecha o ranking, com R$ 1.072,56.

Uma das formas mais eficientes de identificarmos o nosso perfil de investidor, é realizando um teste de perfil.

Você já fez seu teste de perfil? Descubra qual seu perfil de investidor! Teste de Perfil

De todos os estados, Mato Grosso foi o que teve a maior variação mensal na parcela de materiais, alcançando a porcentagem de 1,39%. Segundo o IBGE, a taxa reflete influências da Lei Estadual Complementar nº 631/2019, que propõe mudanças na cobrança do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) no estado.