Índice de Preços ao Produtor sobe 1,31% em junho, com alta recorde no ano

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Divulgação

O Índice de Preços ao Produtor, do IBGE, subiu 1,31% em junho, ante 0,99% de maio. O acumulado no ano é de 19,11%, o maior para este mês na série histórica iniciada em 2014. Em 12 meses o acumulado também foi recorde, chegando a 36,81%.

A pesquisa mede a variação dos preços de produtos na “porta da fábrica”, sem impostos e frete, de 24 atividades das indústrias extrativas e da transformação.

Praticidade e precisão, saiba quais melhores investimentos e como melhorar rentabilidade de suas ações

Dessas, 18 tiveram variações positivas em junho. A maior influência no índice veio das indústrias extrativas, que representou 0,60 ponto percentual, seguido por outros produtos químicos (0,19 p.p.), produtos de metal (0,08 p.p.) e máquinas, aparelhos e materiais elétricos (0,07 p.p.).

“Grande parte dessa variação de 1,31% se explica pelo que ocorreu com os preços das indústrias extrativas”, afirma o gerente de análise e metodologia, Alexandre Brandão.

“Depois de dois meses consecutivos com variações negativas na comparação mês contra mês imediatamente anterior, os preços do setor subiram, em média, 8,71%, devido à variação dos preços em dólar no mercado internacional, apesar da apreciação do real no período”, acrescenta.

Outra alta relevante se deu em produtos de metal (2,80%), a segunda maior variação observada. O aumento em junho se justifica, em grande parte, pelos maiores preços das matérias-primas utilizadas no setor, em especial o aço.

Money Week 5ª Edição

5 Dias de Evento | 70 Autoridades do Mercado Financeiro | 20 Horas de Conteúdo

preços ao produtor

Reprodução/IBGE