Índice de Confiança do Agronegócio teve alta de 11,3 pontos no segundo trimestre

Giovanna Castro
Jornalista formada pela UNESP.
1

Crédito: Foto: Valter Campanato / Wikimedia Commons

O Índice de Confiança do Agronegócio (ICAGRO), medidor mantido pela Fiesp e pela CropLife Brasil, apontou 111,7 pontos no segundo trimestre de 2020.

Em contraste com o primeiro trimestre, o novo registro mostrou alta de 11,3 pontos, o que indica que o setor ganhou fôlego nos últimos meses, em contraponto à crise causada pela pandemia do coronavírus.

De acordo com o DATAGRO, a metodologia do indicador pressupõe que, quando há resultados acima de 100 pontos, o setor está otimista, enquanto números abaixo de 100 demarcam pessimismo.

Ferramenta ajuda na escolha de suas ações de acordo com balanços

EQI Investimentos: conheça os benefícios de se ter um assessor

Otimismo sobre a vacina do coronavírus gera confiança no setor

Segundo o diretor titular do Departamento do Agronegócio da Fiesp, Roberto Betancourt, a retomada das atividades e uma relativa estabilização no mercado financeiro foram fatores determinantes para a subida da pontuação.

Isso porque os avanços nas testagens de vacinas contra o coronavírus geraram otimismo no setor produtivo.

Outro fator determinante foram os efeitos da desvalorização cambial sobre os preços agrículas, de acordo com o diretor.

Planilha de Ações: baixe e faça sua análise para investir

Índice de Confiança das Indústrias do agronegócio

Outro número positivo foi o do Índice de Confiança das Indústrias do agronegócio, que fechou em 109,1 pontos.

A alta em relação ao trimestre anterior foi de 18,5 pontos, uma das três maiores da história do índice (as outras duas foram de 18 pontos do terceiro para o quarto trimestre de 2018 e de 25,1 pontos do primeiro para o segundo trimestre de 2016).

“Ainda há uma certa desconfiança em relação às condições atuais tanto na indústria de insumos agropecuários quanto nas empresas situadas ‘depois da porteira’, mas é fato que as perspectivas para os próximos meses melhoraram expressivamente, justificando a confiança em alta”, afirma Christian Lohbauer, presidente executivo da CropLife Brasil, ao DATAGRO.