Antecedente da Economia tem maior queda histórica, diz FGV

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Reprodução/iStock Photos

A Fundação Getulio Vargas divulgou nesta quinta-feira (14) o Indicador Antecedente Composto da Economia Brasileira (IACE), que teve a maior queda já registrada em sua série histórica, iniciada em 1996.

O índice ficou em 101,2 pontos em abril, com queda de 10,1% na comparação com março.

A variação acumulada nos últimos seis meses também ficou negativa, em 14,2%.

“O impacto das medidas de distanciamento social já pode ser verificado em uma série de indicadores recentes ligados ao nível de atividade na economia brasileira, sinalizando uma alteração na fase do ciclo econômico”, afirma Paulo Picchetti, do FGV IBRE.

A tendência de queda nos indicadores, diz, deve ser mantida nos próximos meses.

Das oito séries componentes, os três Índices de Expectativas – Indústria, Serviços e Consumidores – foram os que mais contribuíram negativamente para o resultado, com recuos na margem de 46,6%, 33,5% e 28,9%, respectivamente.

O Indicador Coincidente Composto da Economia Brasileira (ICCE), que mensura as condições econômicas atuais, ficou estável em 103,1 pontos, no mesmo período.

IACE

IACE

Entenda o IACE

O Indicador Antecedente Composto da Economia agrega oito componentes econômicos que medem a atividade econômica no Brasil:

  • Taxa referencial de swaps DI pré-fixada – 360 dias (Fonte: Banco Central do Brasil)
  • Ibovespa – Fechamento do mês (Fonte: BOVESPA – Bolsa de Valores de São Paulo)
  • Índice de Expectativas da Indústria (Fonte: FGV IBRE)
  • Índice de Expectativas dos Serviços (Fonte: FGV IBRE)
  • Índice de Expectativas do Consumidor (Fonte: FGV IBRE)
  • Índice de produção física de bens de consumo duráveis (Fonte: IBGE)
  • Índice de Termos de troca (Fonte: FUNCEX – Fundação Centro de Estudos do Comércio Exterior)
  • Índice de quantum de exportações (Fonte: FUNCEX – Fundação Centro de Estudos do Comércio Exterior)

Ele é calculado pela Fundação Getulio Vargas em parceria com o The Conference Board (TCB), um think tank (organização de produção e difusão de conhecimento) norte-americano que projeta cenários econômicos futuros.

Leia também: Produção industrial registra queda em todo o país
Indústria tomba 9,1% em março