Indenizações por planos econômicos chegam a R$ 1,6 bi, diz CNJ

Felipe Moreira
Especialista em Mercado de Capitais e Derivativos pela PUC - Minas, com mais de 8 anos de vivência no mercado financeiro e de capitais. Certificações: CPA-10, CPA-20 e AAI. Apaixonado por educação financeira e investimentos.
1

Crédito: Reprodução/Pixabay

Pelo menos 109 mil poupadores, na grande maioria idosos, aceitaram o acordo de conciliação dos planos econômicos de controle da inflação. Com isso, foram finalizados aproximadamente 90 mil processos, dos 580 mil que transitam na Justiça desde os anos 80.

As indenizações referentes as perdas na poupança nos planos Bresser (1987), Verão (1989) e Collor 2 (1991), chegaram a quase R$ 1,6 bilhão. Para os pagamentos, foram aplicados fatores de correção sobre o saldo na caderneta na época de cada plano e na moeda vigente na época, informou a Agência CNJ de Notícias.

No final de 2018, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), por meio do Programa Resolve, começou a realizar mutirões de conciliação na Justiça brasileira.

A Caixa Econômica lidera o montante de pagamento, com R$ 514,5 milhões. Em seguida, aparece o Bradesco (R$ 408,8 milhões), Itaú (351,8 milhões), Santander (155,8 milhões) e Banco do Brasil (128,1 milhões).

Os interessados podem estudar os termos do acordo dos planos econômicos e realizar a adesão através do site  https://www.pagamentodapoupanca.com.br .