Em meio a incertezas, decisão da Opep+ traz forte queda para o petróleo

Karin Barros
Colaborador do Torcedores
1

Crédito: ANP

Corrigindo o salto do petróleo da última quinta-feira (1), após decisão de países exportadores de aumentarem a oferta gradualmente, os contratos futuros de petróleo tiveram grandes perdas nesta segunda-feira (5).

Investidores demonstram apreensão em relação à incerta recuperação da demanda, em meio ao agravamento da pandemia de Covid-19, segundo Dow Jones Newswires.

O barril do WTI para maio fechou em baixa de 4,56%, a US$ 58,65, na New York Mercantile Exchange (Nymex), e o do Brent para junho cedeu 3,91%, a US$ 62,15, na Intercontinental Exchange (ICE).

Após cúpula mensal, a Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados (Opep+) informaram que vão aumentar gradativamente a oferta da commodity nos próximos meses, revertendo os cortes implementados para garantir o equilíbrio no setor.

A notícia foi recebida positivamente e as cotações avançaram mais de 3% na sessão de quinta-feira.

Preocupação com a pandemia

No entanto, à medida que o mercado digere os detalhes da decisão, crescem as preocupações quanto aos riscos em elevar a produção em um cenário global de incertezas.

“A forte resposta de alta à decisão de produção foi uma exagerada”, argumenta o CEO da consultoria Ritterbusch & Associates, Jim Ritterbusch.

O ING aponta como principal risco a possibilidade de o consumo de petróleo não se recuperar da maneira como o grupo espera.

Também há o prospecto de que o Irã volte a produzir mais, elevando o excesso de oferta.

“Essa flexibilização não é imutável. Se, por algum motivo, o mercado ficar pressionado nas próximas semanas, o grupo poderá reverter sua decisão na próxima reunião, no dia 28 de abril”, pondera o banco.

Rumores na Europa

Nas últimas semanas, a Europa tem encabeçado os temores de recrudescimento do coronavírus, mais um fator de pressão sobre o ativo energético.

França, Itália e Alemanha foram alguns dos países que endureceram as restrições à circulação de pessoas, para tentar conter a disseminação da doença.

O Reino Unido, por outro lado, se prepara para relaxar o lockdown, diante do avançado processo de vacinação em massa.