Impacto primário das medidas de combate ao coronavírus aumenta para R$ 285,4 bi

Felipe Moreira
Felipe Moreira é Graduado em Administração de empresas e pós-graduado em Mercado de Capitais e Derivativos pela PUC - Minas, com mais de 6 anos de vivência no mercado financeiro e de capitais. Apaixonado por educação financeira e investimentos.
1

Crédito: Reprodução/iStockphoto

As medidas para enfrentamento da crise anunciadas pelo Ministério da Economia aumentou para R$ 285,4 bilhões a previsão de impacto primário. A previsão foi elevada em 27,1% em relação a divulgada na semana passada, conforme reportagem da Folha de S.Paulo.

O secretário especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues, afirmou que o avanço ocorreu por uma atualização no conjunto das medidas e acrescentou que a previsão deve aumentar ainda mais.

“Vai aumentar de maneira legítima, transparente e cautelosa. Porque isso implica em endividamento e custo para a sociedade”, disse.

O impacto primário referido não leva em conta as despesas com a dívida pública. Incluindo as medidas referentes à suspensão de pagamentos de débitos de Estados e municípios à União, a cifra sobe para R$ 307,9 bilhões.

Conforme os técnicos da pasta, o conjunto de atitudes divulgadas até o momento totalizaram R$ 1,1169 trilhão em recursos movimentados.

Importante frisar que esse valor refere-se à todas medidas anunciadas, que não necessariamente afetam as contas públicas. Exemplo disso, tributos postergados em alguns meses mas que ainda assim deverão ser pagos neste ano).

O montante está dividido em várias frentes, sendo R$ 212,4 bilhões para atendimento da população mais vulnerável e de trabalhadores, R$ 133,4 bilhões de auxílio a estados e municípios, R$ 24,3 bilhões para enfrentamento do coronavírus, R$ 524,4 bilhões em ajuda as empresas e manutenção de empregos e R$ 274,1 bilhões em medidas de crédito.

Além dessas medidas, o Banco Central adotou medidas para aumentar a liquidez das instituições financeiras. O BC reduziu a taxa de depósitos compulsórios (valor que fica retido na autoridade, sem que os bancos possam emprestar).

O secretário acrescentou que o endividamento bruto do Brasil deve aumentar em 10 pontos percentuais em 2020 devido ao coronavírus. Sendo assim, o endividamento deve encerrar este ano em 84% ou 85% em relação ao PIB.

Uma das formas mais eficientes de identificarmos o nosso perfil de investidor, é realizando um teste de perfil.

Você já fez seu teste de perfil? Descubra qual seu perfil de investidor! Teste de Perfil

O secretário-executivo do Ministério da Economia, Marcelo Guaranys, manteve o discurso da pasta de que as reformas planejadas originalmente vão continuar assim que passada a crise. “Logo após isso, a gente vai ter que voltar para as reformas estruturantes. Elas não foram largadas ou esquecidas”, disse.

LEIA MAIS

Comércio paulistano registra queda de 65,5% em abril

Preço médio da gasolina cai 5,96% na primeira quinzena de abril