IGP-M varia 1,18% no segundo decêndio de dezembro, aponta FGV

Victória Anhesini
Jornalista formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie
1

Crédito: Reprodução/Flickr

O Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) da Fundação Getulio Vargas (FGV) variou 1,18% no segundo decêndio  de dezembro, ante 3,05% no mesmo período do mês anterior.

Com este resultado, a taxa acumulada em 12 meses passou de 24,25% para 23,41%. Os dados do IGP-M foram divulgados nesta quinta-feira (17).

De acordo com André Braz, Coordenador dos Índices de Preços, por conta da pressão nos resultados do IPA e IGP em 2020, muitos valores caíram.

A soja foi de 10,70% para -6,11%, e o milho, 19,87% para -0,17%. Estes lideram a queda registrada pelas matérias-primas brutas (5,22% para -0,32%) no segundo decêndio de dezembro. Além disso, o resultado foi impulsionado também pela variação registrada nos preços do trigo (18,05% para -3,97%) e de suínos (12,85% para -10,87%).

IPA

O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) variou 1,17% no segundo decêndio de dezembro. Na análise por estágios de processamento, os preços dos Bens Finais passaram de 2,41% em novembro para 2,11% em dezembro. A maior contribuição para este resultado partiu do subgrupo alimentos processados, cuja taxa passou de 3,98% para 2,89%.

Bens Intermediários variou 2,12% no segundo decêndio de dezembro, ante 3,97% mesmo período de novembro. O destaque coube ao subgrupo materiais e componentes para a manufatura, cuja taxa passou de 4,73% para 1,72%.

Além disso, a taxa do grupo Matérias-Primas Brutas foi de 5,22% no segundo decêndio de novembro para -0,32% em igual período de dezembro.

IPC

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) subiu 1,23% no segundo decêndio de dezembro, contra 0,51% no mesmo período de novembro. Conforme os dados, seis das oito classes de despesa componentes do índice registraram acréscimo em suas taxas de variação.

O destaque foi para o grupo Educação, Leitura e Recreação, que foi de 0,20% para 3,91%. Nesta classe de despesa, vale mencionar o comportamento do item passagem aérea, indo de 1,56% para 26,08%.

Por outro lado, os destaques negativos são os grupos Vestuário (0,18% para -0,49%) e Saúde e Cuidados Pessoais (0,09% para -0,02%). Estes registraram decréscimo em suas taxas de variação. Nestas classes de despesa, os maiores recuos foram observados nas taxas dos itens roupas (0,11% para -0,69%). Além de artigos de higiene e cuidado pessoal (0,16% para -0,52%).

Por fim, o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) variou 1,20% no segundo decêndio de dezembro. No mês anterior, o índice subira 1,38%. Os grupos componentes do INCC apresentaram variações na passagem do segundo decêndio de novembro para mesmo período em dezembro. Materiais e Equipamentos (3,10% para 2,78%), Serviços (0,69% para 0,41%) e Mão de Obra (0,23% para 0,13%).

LEIA MAIS:

Vitória de Biden pode dificultar relação Brasil-EUA; veja mais notícias

Small caps: veja as ações mais recomendadas para dezembro

Rede D’Or (RDOR3): conheça a empresa do 2º maior IPO da história

Gostaria de ter orientação sobre como investir e onde? Preencha o formulário abaixo que um assessor da EQI Investimentos poderá ajudar em sua jornada.