IGP-M sobe 3,05% na segunda prévia e atinge 24,25% em 12 meses

Victória Anhesini
Jornalista formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie
1

Crédito: Rovena Rosa/Agência Brasil

O Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M), da Fundação Getulio Vargas (FGV), subiu 3,05% no segundo decêndio de novembro, ante 2,92% no mesmo período do mês anterior. Com este resultado, a taxa acumulada em 12 meses passou de 20,56% para 24,25%.

O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) subiu 3,98% no segundo decêndio de novembro. No segundo decêndio de outubro, o valor era 3,75%. Além disso, na análise por estágios de processamento, os preços dos Bens Finais passaram de 2,73% em outubro para 2,41% em novembro. A maior contribuição para este resultado partiu do subgrupo alimentos processados, cuja taxa passou de 4,61% para 3,98%.

Conforme André Braz, coordenador dos Índices de Preços, o IPA continua sendo influenciado pelo comportamento das matérias-primas brutas. O índice é o de maior peso no IGP. De outubro para novembro, o aumento foi de 4,77% para 5,22%. A categoria cobre as commodities, cujo aumento de preços vem influenciando mais a cadeia produtiva. Portanto, justifica os acréscimos em bens intermediários, que foram de 3,50% para 3,97% em novembro.

EmpreendedorismoTécnicas para Renda Fixa. Estratégias para proteção de investimentos.

Tudo isso hoje na MoneyWeek

Por outro lado, os demais componentes do IGP, IPC (0,71% para 0,51%) e INCC (1,50% para 1,38%) registraram altas menos expressivas nesta edição.

Índices

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) caiu para 0,51% no segundo decêndio de novembro. No mesmo período de outubro, o valor era 0,71%. Seis das oito classes de despesa componentes do índice registraram decréscimo em suas taxas de variação. De acordo com os dados, o destaque foi para o grupo Educação, Leitura e Recreação (3,05% para 0,20%).

Em contrapartida, os grupos Transportes (0,01% para 0,85%) e Comunicação (0,06% para 0,07%) registraram alta. Nestas classes de despesa, os maiores avanços foram observados nas taxas dos itens gasolina (-0,74% para 1,74%), além de combo de telefonia, internet e TV por assinatura (0,00% para 0,14%).

Por fim, o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) variou 1,38% no segundo decêndio de novembro. No mês anterior, o índice subira 1,50%. Os três grupos componentes do INCC apresentaram as seguintes variações na passagem do segundo decêndio de outubro para o segundo decêndio de novembro: Materiais e Equipamentos (3,69% para 3,10%), Serviços (0,39% para 0,69%) e Mão de Obra (0,13% para 0,23%).

 

  • Participe da Money Week, de 23 a 27 de novembro. Inscreva-se.