IGP-10 desacelera e registra alta de 0,18% em julho deste ano

Matheus Gagliano
Colaborador do Torcedores
1

Crédito: Divulgação/Ibre FGV

O Índice Geral de Preços – 10 (IGP-10) desacelerou e registou uma variação de 0,18% em julho. No mês anterior, o índice havia subido 2,32%. Com esse resultado, o índice acumula alta de 15,52% no ano e de 34,61% em 12 meses.

Em julho do ano passado, o indicador atingiu uma variação de 1,91% no mês e acumulava elevação de 8,57% em 12 meses. Os dados foram divulgados pelo Instituto Brasileiro de Economia, da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV).

Praticidade e precisão, saiba quais melhores investimentos e como melhorar rentabilidade de suas ações

André Braz, Coordenador dos Índices de Preços, explicou que os preços de commodities agrícolas de grande expressão no IPA (Índide de Preços ao Produtos Amplo), seguem em desaceleração. Este está recompondo parte da alta acumulada nos últimos 12 meses.

Ele explica ainda que as áreas de cultivo nos Estados Unidos seguem ameaçadas pela baixa umidade, o que pode interromper precocemente a desaceleração dos preços desses grãos.

IGP-1o: valorização do real é favorável

Em contrapartida, a valorização do real, sustentada pela continuidade da política fiscal expansionista nos EUA e pela trajetória de alta da Selic é favorável.

Pois devem contribuir para que os preços dessas commodities mantenham-se bem comportados no Brasil, conforme explicou o economista.

Com relação ao IPA, este caiu 0,07% em julho. No mês anterior, o índice havia registrado alta de 2,64%. Na análise por estágios de processamento, os preços dos Bens Finais variaram de 1,66% em junho para 1,27% em julho.

A principal contribuição para este resultado partiu do subgrupo alimentos processados, cuja taxa passou de 3,06% para 2,10%.

O índice relativo a Bens Finais, que exclui os subgrupos alimentos in natura e combustíveis para o consumo, subiu 1,58% em julho. No mês anterior, a taxa havia sido 2,29%.

IPC varia 0,70% em julho

Já o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) variou 0,70% em julho. No mês anterior, este havia apresentado taxa de 0,72%.

De acordo com os dados, seis das oito classes de despesa componentes do índice registraram decréscimo em suas taxas de variação. Os principais são Transportes (1,69% para 0,81%), Saúde e Cuidados Pessoais (0,30% para -0,24%), Habitação (1,41% para 1,17%) e Vestuário (0,83% para 0,34%).

Por sua vez, o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) variou 1,37% em julho. No mês anterior a taxa subira 2,81%.

Os três grupos componentes do INCC registraram as seguintes variações na passagem de junho para julho: Materiais e Equipamentos (2,50% para 1,43%), Serviços (1,18% para 0,70%) e Mão de Obra (3,37% para 1,45%).