IFIX – Índice de Fundos de Investimentos Imobiliários

Com saudades do mercado? Com essa semana de carnaval o mercado nacional trabalhou um pouco menos do que o habitual.

Oliver Imhof
Oliver Imhof é um colaborador da EuQueroInvestir. Contato: oliver.imhof@euqueroinvestir.com
capa-fiis

Foto: capa-fiis

Mesmo assim foi tempo suficiente para investir! Ou pelo menos para estudar novas formas de investir! Aliás, uma boa forma de aplicar o seu dinheiro, é através dos fundos imobiliários!

[banner nome=”facebook”]

O que é o IFIX?

O IFIX (Índice de Fundos de Investimentos Imobiliários) foi inaugurado em 2012 tendo em sua carteira diversos fundos. Cada FII possui um peso diferente dentro da carteira. De forma bem similar ao Ibovespa, o IFIX é uma métrica para avaliar o mercado em si.

Atualmente o IFIX é composto pelos seguintes fundos:

FIIs Tabela

Essa composição foi retirada do último boletim de FII elaborado pela BVMF Bovespa (B3). Aqui podemos ver que KNCR11 é o fundo com maior peso dentro do índice.

A participação do fundo é um pouco superior aos 10%. Depois temos KNRI11, BBPO11, BRCR11 entre vários outros.

Desde a criação do IFIX, venho esperando que seja criado um ETF para replicar tal carteira. Seria uma ótima forma de incentivar o investimento em FII.

[banner id=”teste-perfil”]

Mas enquanto esse sonho não se torna realidade, o negócio é investir nos próprios fundos. Outra informação importante! O IFIX leva em consideração, o reinvestimentos das distribuições. Ou seja, dentro do índice já está contabilizado as distribuições realizados pelos fundos da carteira.

E o desempenho do IFIX? Como vai?

Em 2018 o IFIX vem registrando uma valorização de aproximadamente 1,89%. Comparado diretamente com o Ibovespa (5,89%), essa rentabilidade não parecer ser muita coisa.

Mas aí é que mora uma das vantagens de investir em FII. Pelo menos em minha visão. Ao investir em FII o cotista está aplicando seus recursos em um mercado com menos volatilidade do que o acionário.

Lógico, ao comprar certas cotas temos o risco de adquirir um fundo que possa vir a ter uma grande oscilação em suas cotas. Porém, na média, o mercado de FII não é tão volátil.

Podemos pegar como exemplo os fundos que compõem o topo da carteira do IFIX. Por exemplo, o próprio KNCR11.

Nesse gráfico o leitor pode ver que o valor mais baixo que as cotas de KNCR11 atingiram foi de R$ 92,00 em 2014. Já o valor mais alto foi próximo da casa dos R$ 120,00.

Então o preço do ativo, dentre os cinco últimos anos, oscilou, no máximo, 30% do seu valor médio. Isso que não estamos levando em consideração as distribuições.

Levando em consideração as distribuições, é bem provável que o cotista de KNCR11 (que investiu no início de 2014) tenha auferido bons ganhos.

As distribuições também funcionam como uma forma de reduzir a oscilação do preço da cota. Somando os ganhos através dos pagamentos mensais, e o preço do FII, o investidor teria uma redução na volatilidade.

Em outras palavras, no médio a longo prazo, o investimento em FII se mostra uma ótima oportunidade de ganhos.

Juro em queda!

Outro fator que pode beneficiar os ganhos com FII é a queda dos juros. Desde o final de 2016 o Brasil vem reduzindo sua taxa de juro, uma vez que a inflação se apresenta (domada).

Uma das formas mais eficientes de identificarmos o nosso perfil de investidor, é realizando um teste de perfil.

Você já fez seu teste de perfil? Descubra qual seu perfil de investidor! Teste de Perfil

Tal movimento já aconteceu anteriormente, porém o contexto era bem diferente. Na época a inflação estava acima da meta (um pouco abaixo do teto da meta) e mesmo assim, na tentativa de aumentar o consumo interno, a taxa de juro foi cortada até a marca dos 7,25% ao ano.

Se não me engano, o ano foi de 2012. Nesse período o IFIX marcou uma forte alta. Boa parte da movimentação de compra ocorreu devido aos pagamentos que eram excelentes para uma taxa de juro baixa.

Mas essa alta acabou se invertendo em pouco tempo. A taxa de juro começou a subir, uma vez que a inflação começou a ficar mais forte.

Se isso não fosse tudo a economia nacional começou a parar e depois deu início a uma queda. Tal queda teve influência nos FII, sendo que alguns acabaram perdendo seus inquilinos.

Além da taxa de juro subir (fato que beneficia títulos atrelados a Selic) e a saída dos inquilinos (com a queda econômica) o mercado de FII teve uma grande queda.

Hoje a taxa de juro está baixa (comparado aos anos anteriores), porque a inflação está abaixo do piso da meta. A economia está se recuperando, mas ainda não está aquecida.

Ou seja, é bem provável que a nossa taxa de juro se mantenha nesse patamar (ou próximo) por um bom tempo, fato que pode fomentar o mercado de FII.

Fique de olho investidor! Caso a inflação se mostre abaixo das expectativas, novos cortes na taxa de juro poderão ocorrer! Dessa forma, novas oportunidades surgirão no mercado de FII!

Bons investimentos!

Quando e onde investir

O primeiro passo sempre será conhecer seus limites, sua tolerância a risco. Não entender seus próprios limites pode levá-lo a tomar as piores decisões com seus investimentos.

Por este motivo, sugerimos que todo investidor - experiente ou iniciante - conheça seu perfil. Se busca obter ganhos mais altos aceitando certa volatilidade ou se prefere maior segurança com retornos garantidos.

Entender mais profundamente o seu perfil como investidor e seus objetivos quanto a prazos de investimentos é uma tarefa um pouco mais sofisticada que um teste feito em qualquer ferramenta na internet, exige uma análise mais criteriosa e dedicada para cada pessoa.

os perfis de investidores

Para ter uma visão precisa do perfil é preciso considerar histórico como investidor, fatores pessoais e até profissionais que um teste da internet não considera.

Esta é a função do Assessor de Investimentos

Entender o investidor em uma profundidade maior que um teste de perfil na internet. É a nossa função como uma empresa especializada em educação financeira.

O primeiro passo é fazer uma conversa de 5 a 10 minutos com um membro da nossa equipe para levantar as primeiras informações e então agendar a conversa com um Assessor de Investimentos. É ele quem vai se aprofundar no seu histórico como investidor, seu momento de vida, seus planos futuros e então te indicar para produtos recomendados para seu perfil de investidor.

Confirme seus dados no formulário abaixo e nossa equipe vai entrar em contato com você para fazer a avaliação de seu perfil e avaliar o alinhamento com seus atuais investimentos.