FII: IFIX fecha no zero a zero; VISC11 e CVBI11 pressionam queda

Regiane Medeiros
Economista formada pela UFSC. Produz conteúdo na área de mercado de capitais, finanças pessoais e atualidades.
1

Crédito: Unsplash

Nesta quinta-feira (24), o IFIX fechou a sessão em queda de 0,02%, aos 2.789,57 pontos.

Na mínima do dia, o índice de FIIs bateu em 2.788,32 pontos. Já na máxima, alcançou os 2.791,50 pontos.

Para setembro, o IFIX acumula uma valorização de 0,27%. No ano, a queda é de 12,51%.

Participe do maior evento de investimentos da América Latina

A movimentação financeira para esta quinta foi de R$ 149,76 milhões.

Destaques do dia

Entre as maiores altas da carteira estavam: Plural Recebíveis Imobiliários (PLCR11), Green Towers (GTWR11), Kinea Fundo de Fundos (KFOF11), SP Downtown (SPTW11), Rio Bravo IFIX (RBFF11).

Na contramão, as maiores quedas do IFIX foram em: Vinci Shopping Centers (VISC11), VBI CRI (CVBI11), CSHG Imobiliário FOF (HGFF11), Pátria Edifícios Corporativos (PATC11), The One (ONEF11).

Veja o gráfico do IFIX

Fonte:B3

FII: Maiores Altas

Empresa (ticker)PreçoOscilação
PLCR11R$ 84,832,02%
GTWR11R$ 116,681,31%
KFOF11R$ 113,111,00%
SPTW11R$ 89,510,91%
RBFF11R$ 74,280,88%

FII: Maiores Baixas

Empresa (ticker)PreçoOscilação
VISC11R$ 109,20-2,06%
CVBI11R$ 94,20-1,57%
HGFF11R$ 98,13-1,50%
PATC11R$ 90,45-1,02%
ONEF11R$ 150,29-0,91%

IFIX versus ações

Criado pela Bolsa brasileira, o IFIX tem por objetivo medir a performance de uma carteira.

Trata-se de uma composição de cotas de Fundos Imobiliários que são listados para negociação nos ambientes administrados pela bolsa. Entretanto, esse indicador costuma variar bem menos que o próprio Ibovespa.

Em comparação à bolsa, nesta quinta o conjunto de FIIs registrou leve desvalorização, em contraponto ao principal índice da bolsa, que avançou 1,33%.

Veja a movimentação de FII

MORE11

O BTG Pactual, no papel de administrador do FII More Real Estate FOF (MORE11), informou a abertura de nova emissão de cotas.

Em vista disso, a 2ª emissão será de até 1.446.061 de cotas por meio das quais o Fundo pretende levantar o montante de R$ 144.172.281,70.

De acordo com a administradora, os recursos provenientes da captação serão destinados à aquisição, pelo Fundo, de ativos imobiliários, conforme definidos no regulamento do fundo.

O MORE11é um fundo imobiliário do segmento fundo de fundos. Dessa forma, seu objetivo é é aplicar, sobretudo, em cotas de outros fundos de investimento imobiliário.

MCCI11

O BTG Pactual, administrador do FII Mauá Capital Recebíveis Imobiliários (MCCI11), informou sobre a 4ª emissão de cotas do Fundo.

Desse modo, com a nova emissão serão captados o montante de até R$ 300 milhões, cujos recursos serão preponderantemente utilizados para aquisição dos ativos alvo do Fundo.

A quantidade exata de novas cotas será determinada a partir da fixação do preço de emissão, podendo tal quantidade ser diminuída em virtude da distribuição parcial.

O MCCI11 é um fundo imobiliário do tipo papel. Assim sendo, seus investimentos são destinados, sobretudo, a aplicações em títulos e valores mobiliários.

RCRI11B

O FII RB Capital Rendimentos Imobiliários (RCRI11B) informou que foi encerrado o período para o exercício do direito de conversão de cotas “A” em cotas “B”, nos termos propostos no fato relevante Sobre a Conversão.

Durante o período para o exercício do direito de conversão, iniciado em 1º de setembro de 2020 e encerrado em 21 de setembro de 2020,  os cotistas puderam exercer  direito de conversão até o limite de 15% do volume total das cotas “A”.

As cotas “B” resultantes da conversão das cotas “A” garantirão aos cotistas a mesma participação no Fundo, os mesmos direitos políticos e os mesmos rendimentos a que teriam direito antes da conversão.

BTLG11

O BTG Pactual, na qualidade de administrador do FII BTG Pactual Logística (BTLG11) informou que Fundo adquiriu imóvel em Jundiaí, SP, com potencial área bruta locável de 100.028m².

O imóvel obteve a conclusão das obras com a possibilidade de ocupação no mês de setembro de 2020 e já se encontra 38% locado para três empresas.

A compra será realizada pelo valor de R$ 270 milhões.

Com o pagamento do saldo remanescente, o Fundo tornar-se-á o único titular da propriedade e de todos os direitos sobre o imóvel, de modo que fará jus à receita de aluguel, equivalente a R$ 0,25/cota por mês se considerado o número de cotas atuais do Fundo.

GRLV11

O FII CSHG GR Louveira (GRLV11) informou que cotistas detentores de mais de 5% das cotas do Fundo solicitaram a convocação de assembleia para deliberar sobre a realização de processo competitivo visando à venda da totalidade da participação do Fundo no empreendimento “GR Louveira”.

Segundo o comunicado, o intuito é autorizar a administradora a efetivar a venda pelo melhor preço e condições de pagamento ofertados, com a consequente liquidação do Fundo, desde que respeitado o preço mínimo de R$ 150 milhões e determinadas condições mínimas para a venda.

RECT11

O FII REC Renda Imobiliária (RECT11) comunicou que se comprometeu a adquirir da Leone Administração e Empreendimentos, um imóvel localizado em São Paulo, SP, com área locável de 1.962,60 m².

Atualmente o imóvel está locado para a Agaxtur Agência de Viagens e Turismo,  através de contrato atípico e prazo de 60 meses.

O valor total da transação é de R$ 27 milhões.

Após concluídas as transações, a distribuição de rendimentos do Fundo deverá ficar em aproximadamente R$ 0,72 por cota por mês.