FII: IFIX fecha o dia no zero a zero; FLMA11 e HGCR11 pressionam queda

Regiane Medeiros
Economista formada pela UFSC. Produz conteúdo na área de mercado de capitais, finanças pessoais e atualidades.
1

Crédito: Pixabay

O IFIX abriu o pregão desta terça-feira (17) em leve alta de 0,07%, no entanto, ao longo do dia o índice perdeu força e fechou o pregão em queda de 0,08%, aos 2.802,81 pontos.

A mínima do dia no  índice de FIIs foi de 2.802,47 pontos. Já a máxima bateu em 2.809,07 pontos.

Para o acumulado de novembro, o IFIX registra alta de 1,3%. No ano, a queda é de 12,39%.

Invista em Fundos Imobiliários. Conheça planilha que irá te ajudar em análises e diagnósticos dos ativos.

A movimentação financeira para a terça-feira foi de R$ 190,96 milhões.

Destaques do dia

As maiores altas da carteira foram em: Hectare CE (HCTR11), XP Corporate Macaé (XPCM11), BB Progressivo (BBFI11B), Iridium Recebíveis Imobiliários (IRDM11), Ourinvest JPP (OUJP11).

Por outro lado, as maiores quedas foram em: Edifício Galeria (EDGA11), CSHG Recebíveis Imobiliários (HGCR11), Kinea Fundo de Fundos (KFOF11), Pátria Edifícios Corporativos (PATC11), BTG Pactual Fundo de CRI (FEXC11).

Veja o gráfico do dia

FII: Maiores Altas

Empresa (ticker)PreçoOscilação
HCTR11R$ 145,045,39%
XPCM11R$ 50,563,12%
BBFI11BR$ 2.346,012,00%
IRDM11R$ 123,332,00%
OUJP11R$ 103,501,73%

FII: Maiores Baixas

Empresa (ticker)PreçoOscilação
FLMA11R$ 3,03-1,62%
HGCR11R$ 99,75-1,43%
KFOF11R$ 109,74-1,35%
PATC11R$ 87,86-1,17%
FEXC11R$ 91,50-0,94%

IFIX versus ações

Criado pela Bolsa brasileira, o IFIX tem por objetivo medir a performance de uma carteira.

Trata-se de uma composição de cotas de Fundos Imobiliários que são listados para negociação nos ambientes administrados pela bolsa. Entretanto, esse indicador costuma variar bem menos que o próprio Ibovespa.

Em comparação à bolsa, nesta terça o conjunto de FIIs registrou desvalorização, em contraponto ao principal índice da bolsa, que subiu 0,77%.

Veja a movimentação de FII

IRDM11 lança 8ª emissão de cotas

O BTG Pactual, administrador do fundo de investimento imobiliário (FII) Iridium Recebíveis Imobiliários (IRDM11), informou a abertura de nova emissão de cotas.

Desse modo, a 8ª emissão será de até 4,5 milhões de cotas, totalizando o montante de até R$ 442,08 milhões.

O preço de aquisição por cota da 8ª emissão foi definido em R$ 98,24, já inclusa a taxa de distribuição.

O BTG informou que, caso o montante mínimo da oferta não seja atingido, a oferta restrita será cancelada.

Os cotistas poderão manifestar o exercício de seu direito de preferência durante o período entre 23 de novembro de 2020 e 04 de dezembro de 2020.

Os recursos a serem captados no âmbito da oferta serão destinados à aquisição de Ativos Imobiliários, observada a política de investimento do IRDM11.

TEPP11 anuncia 3ª emissão de cotas

A BRL Trust, na qualidade de administradora do FII Tellus Properties (TEPP11), comunicou ao mercado a abertura da 3ª emissão de cotas.

Assim sendo, com a nova emissão serão lançadas até 570.907 cotas, pelo valor unitário de R$ 888,08, já considerado a taxa de distribuição.

O FII pretende levantar o montante de até R$ 50 milhões na 3ª emissão.

Os cotistas que tiverem interesse em exercer o direito de preferência deverão se manifestar no período entre 24 de novembro de 2020 a 04 de dezembro de 2020, inclusive, na B3.

Os recursos líquidos provenientes da 3ª emissão serão destinados, primordialmente, para aquisição de duas lajes no Condomínio Edifício São Luiz, localizado em São Paulo, SP, totalizando 1.879,38m² de área locável.

FII: Confira os rendimentos divulgados

BRLA11: R$ 0,965018698 por cota em 23/11

ARCT11: R$ 12,43 por cota em 23/11

TSNC11: R$ 35,100428421 por cota em 23/11

WTSP11B: R$ 0,129500204 por cota em 23/11

BRLA11: R$ 0,965018698 por cota em 23/11

OUCY11: R$ 0,600000012 por cota em 23/11

OULG11: R$ 0,6100011309 por cota em 23/11

OUFF11: R$ 0,4800001322 por cota em 23/11

TSNC11: R$ 35,100428421 por cota em 23/11

Veja mais:

Fundos imobiliários: confira os FIIs recomendados para novembro

FII: conheça os 20 fundos imobiliários mais rentáveis de 2020