FII: IFIX fecha no zero a zero; Índice é puxado por VISC11 e PLCR11

Regiane Medeiros
Economista formada pela UFSC. Produz conteúdo na área de mercado de capitais, finanças pessoais e atualidades.
1

Em um dia com poucas oscilações, o IFIX fechou a sessão desta quarta-feira (11) em queda de 0,02%, aos 2.806,66 pontos.

Na mínima do dia, o índice de FIIs bateu em 2.805,33 pontos, enquanto a máxima foi de 2.811,18 pontos.

Para novembro, o IFIX acumula alta de 1,44%. No ano, a queda é de 12,09%.

Consulte os melhores diálogos e insights da Money Week.

A movimentação financeira para a quarta-feira foi de R$ 175,68 milhões.

Destaques do dia

As maiores altas da carteira foram em: XP Corporate Macaé (XPCM11), SDI Rio Bravo Renda Logística (SDIL11), XP Crédito (XPCI11), General Shopping Ativo e Renda (FIGS11), Rio Negro (RNGO11).

Por outro lado, as maiores quedas foram em: Vinci Shopping Centers (VISC11), Plural Recebíveis Imobiliários (PLCR11), GGR COVEPI (GGRC11), Square Faria Lima (FLMA11), CSHG Prime Offices (HGPO11).

BDRs| Aprenda mais sobre essa classe de Ativos

Veja o gráfico do dia

Fonte:B3

FII: Maiores Altas

Empresa (ticker)PreçoOscilação
XPCM11R$ 47,004,86%
SDIL11R$ 101,891,19%
XPCI11R$ 90,941,04%
FIGS11R$ 64,001,03%
RNGO11R$ 71,100,84%

FII: Maiores Baixas

Empresa (ticker)PreçoOscilação
VISC11R$ 113,95-1,47%
PLCR11R$ 83,11-1,02%
GGRC11R$ 137,24-0,98%
FLMA11R$ 3,07-0,97%
HGPO11R$ 213,70-0,97%

IFIX versus ações

Criado pela Bolsa brasileira, o IFIX tem por objetivo medir a performance de uma carteira.

Trata-se de uma composição de cotas de Fundos Imobiliários que são listados para negociação nos ambientes administrados pela bolsa. Entretanto, esse indicador costuma variar bem menos que o próprio Ibovespa.

Em comparação à bolsa, nesta quarta o conjunto de FIIs registrou desvalorização, em linha com o principal índice da bolsa, que caiu 0,25%.

Veja a movimentação de FII

RBIR11 adquire participação em SPE

A Oliveira Trust, administradora do fundo de investimento imobiliário (FII), RB Capital Renda Desenvolvimento Residencial IV (RBIR11) adquiriu a participação societária em Sociedades de Propósito Específico (SPEs) para futuras incorporações imobiliárias nos bairros da Vila Madalena, Perdizes e Brooklin na cidade de São Paulo, SP.

O projeto residencial na Vila Madalena compreenderá área privativa total estimada em 8.747 m2.

Além de contar com 146 unidades e Valor Geral de Vendas (VGV) estimado em R$100,5 milhões.

O investimento foi realizado pelo montante de R$ 9,39 milhões.

Já o futuro empreendimento residencial de Perdizes compreenderá área privativa total de 5.737 m2 e contará com 50 unidades.

O VGV foi estimado em R$ 76,2 milhões e o investimento total pelo Fundo foi de R$ 6,54 milhões.

Por fim, o projeto residencial do Brooklin compreenderá área privativa total de 10.592 m2, contará com 133 unidades e VGV estimado em R$ 118,5 milhões.

O investimento foi realizado via modalidade de Equity, na qual o Fundo comprometeu um capital de aproximadamente R$ 9,25 milhões.

GRLV11 realiza aquisição de ativo logístico

O FII CSHG Logística celebrou o compromisso de adquirir os galpões de números 1 a 4 e 8 a 16 do ativo logístico Condomínio GR Louveira, pertencentes ao Fundo GR Louveira (GRLV11).

O valor a ser pago pelo Fundo na aquisição dos imóveis é de R$ 156,14 milhões.

Os Imóveis possuem, em conjunto, 55.202 m² de área bruta locável ocupados por diversos inquilinos, atualmente com 3,7% de vacância física.

SDIL11 desembolsa R$ 421 milhões em aquisição de imóveis

O FII SDI Rio Bravo (SDIL11) assinou uma proposta vinculante para a aquisição de dois ativos adjacentes localizados no município de Contagem, Minas Gerais.

A área total dos terrenos onde se encontram os imóveis é de 225.080 m² e o valor de aquisição totaliza R$ 421 milhões.

O imóvel 1 é um centro logístico com classificação AAA, recém construído e com alta tecnologia.

O empreendimento possui área total construída de aproximadamente 58.000 m² e ainda 66.000 m² de terreno.

O contrato de locação vigente é atípico, na modalidade Builtto-Suit (BTS), cujo prazo de vencimento é no ano de 2034.

O valor nominal total do Imóvel 1 é R$ 350 milhões.

Já o imóvel 2 é um terreno, vizinho ao imóvel 1, com projeto em aprovação para a construção de centro logístico com cerca de 25.000 m² de área construída, classe AAA, com projeção de entrega no primeiro semestre de 2022.

A obra do imóvel 2 será arcada pelos proprietários atuais do ativo, com cronograma de início de construção previsto para o primeiro semestre de 2021.

O valor nominal total do imóvel 2 é R$ 71 milhões.

KNRI11 reduz taxa de administração do Fundo

O FII Kinea Renda Imobiliária (KNRI11) informou aos cotistas do Fundo que será concedido uma redução na taxa de administração, em função do volume captado nas próximas emissões de cotas, até o limite de uma redução de 0,17% a.a.

A referida redução passará a valer no primeiro dia útil do mês subsequente ao mês em que ocorrer a captação dos montantes.

Além disso, o Fundo informou que a redução na taxa de administração implicará na redução da remuneração recebida pelo Gestor.

FII: Confira os rendimentos divulgados

RVBI11: R$ 0,62 por cota em 17/11

CPTS11: R$ 0,9 por cota em 17/11

CPFF11: R$ 0,6 por cota em 18/11

CVBI11: R$ 1 por cota em 17/11

Veja mais: