Ibovespa fecha em queda de 1,66%; PCAR e UGPA3 caem mais de 7% após balanços

Joana Kurtz
null
1

Crédito: Reprodução/Pixabay

O Ibovespa passou o dia no terreno negativo e encerrou em queda de 1,66% nesta quinta-feira (20), aos 114.586 pontos, contaminada pelas bolsas internacionais que refletem as preocupações com o coronavírus na China e sua expansão para outros países. A Coreia do Sul registrou a primeira morte pela doença. Duas outras foram registradas no Irã e duas no Japão. Na China, o número de casos registrados chega a 74.500 e as mortes somam 2.118.

Os balanços desanimadores de algumas companhias também influenciaram o ânimo dos investidores, tanto que Ultrapar e GPA (Grupo Pão de Açúcar), cujos resultados saíram no noite de ontem, estiveram entre as principais baixas de hoje, com perdas idênticas de 7,33%.

O que você verá neste artigo:

GPA 

O GPA registrou um recuo de 71,4% do lucro líquido, que somou de R$ 98 milhões no quarto trimestre do ano passado em comparação ao mesmo período de 2018, já considerando os efeitos da norma IFRS6. O Ebitda ajustado ficou em R$ 1,290 bilhão, alta de 0,5% na mesma base de comparação. A margem Ebitda recuou de 9% para 6,1%.

O analista de varejo da XP, Pedro Fagundes, escreveu que o Grupo Pão de Açúcar reportou resultados do quarto trimestre de 2019 abaixo das suas estimativas. O motivo foi o fraco desempenho da operação de Multivarejo. Ainda assim, ele manteve a recomendação de compra e preço-alvo de R$ 105 por ação. “Mas esperamos volatilidade no curto prazo”, escreveu.

Ultrapar

Já a Ultrapar reverteu um lucro de R$ 495,6 milhões no quarto trimestre de 2018 para prejuízo de R$ 267,7 milhões no quarto trimestre de 2019. Considerando os resultados sem o critério IFRS6, o prejuízo foi de R$ 259,5 milhões.

O Ebitda ajustado ficou em R$ 361,5 milhões com as regras IFRS 6, o que representa um recuo de 63,5% em relação ao quarto trimestre de 2018. Sem esse critério, o resultado foi de R$ 261,4 milhões, queda de 73,6%.

A dona dos postos Ipiranga indicou os motivos desses resultados, no balanço.

Para o analista da XP Investimentos, Pedro Fonseca, “é muito cedo para ficar otimista com as ações da Ultrapar”.

Por um lado, o Ebitda ajustado ficou em linha com suas estimativas e prejuízo refletiu uma perda sem efeito caixa.

Por outro, as diferentes linhas do balanço podem ter desapontado investidores que esperavam uma recuperação mais rápida dos resultados, com a retomada gradual da economia.

Petrobras

O balanço da Petrobras mostrou um lucro abaixo da média das estimativas dos analistas do mercado, apesar de ter sido o maior da história, enquanto Ebitda e a receita vieram em linha. No final do dias as ações ON fecharam em -2,52% e as PN, -2,06%

A estatal registrou um lucro líquido recorrente dos acionistas de R$ 12,926 bilhões no balanço do quarto trimestre do ano passado, cifra 74,2% superior à reportada no mesmo intervalo de 2018.

A petroleira informou ainda que o conselho de administração aprovou o pagamento de dividendos de R$ 1,7 bilhão para ações ordinárias, equivalentes a R$ 0,233649 por papel ON.

Já o valor aprovado para ações preferenciais é bem menor, de R$ 2,5 milhões, o que corresponde a R$ 0,000449 por ação.

A União receberá boa parte do montante aprovado, já que detém 50,26% das ações ON da Petrobras.

Gol e Marfrig

O mercado também não perdoou a Gol, que registrou queda de 4,26%, após divulgação do balanço e guidance. O lucro líquido após participação de acionistas minoritários foi de R$ 351,9 milhões no quarto trimestre do ano passado, recuo de 47,9% na comparação com igual período de 2018.

A Marfrig conseguiu recuperar as perdas do dia – a ação chegou a cair mais de 4% – e fechou em leve alta de 0,15%. A empresa publicou balanço ontem e informou que obteve um lucro líquido de R$ 26,9 milhões no quarto trimestre de 2019, revertendo prejuízo de R$ 1,25 bilhão que teve em igual período de 2018.

Para a analista da XP Investimentos, Betina Roxo, os números vieram fortes.

“A forte geração de fluxo de caixa livre foi um destaque positivo do resultado, com a razão Dívida Líquida/EBITDA aumentando apenas 0,3x (versus o 4T18) para 2,7x, apesar das aquisições da Marfrig no último ano”, escreveu.

“A Marfrig apresentou resultados consolidados recordes neste trimestre. Com receita líquida de R$ 49,9 bilhões em 2019, a empresa superou o guidance de R$ 47-49 bilhões; o mesmo ocorreu com a margem EBITDA ajustada que, em 9,6%, excedeu o guidance de 8,7-9,5%.”

A analista reiterou a recomendação de compra, com preço-alvo de R$ 14.

Indicadores

Internamente, os investidores reagiram à notícia de que a prévia do IPCA, o IPCA-15 foi de 0,22% em fevereiro. Este é o menor resultado para o mês desde o início do Plano Real (1994). O resultado veio mais baixo do que a expectativa do mercado. Os analistas previam uma mediana de 0,23%.

Nem mesmo a decisão do Banco Central de reduzir parcelas dos depósitos compulsórios, que podem injetar R$ 135 bilhões na economia, e o anúncio de arrecadação federal recorde em janeiro, de R$ 174 bilhões, mudaram o humor dos investidores.