Ibovespa mergulha em queda, com cenário de aversão global

Victória Anhesini
Jornalista formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie
1

Crédito: Imagem de Gerd Altmann por pixabay.com

O Ibovespa opera em queda de 3,52%, aos 102.084 pontos, perto das 14h07, nesta sexta-feira (26).

O Ibovespa afunda, acompanhando clima de aversão global após a descoberta de uma variante possivelmente resistente a vacinas, e em meio ao recrudescimento da pandemia, especialmente na Europa.

Pouco se sabe sobre a variante, detectada primeiramente na África do Sul, e depois em Botswana e Hong Kong, mas cientistas dizem que ela tem uma combinação atípica de mutações, e pode ser capaz de evitar respostas imunológicas e ser mais transmissível.

O que mexe no Ibovespa

O Índice de Confiança da Indústria, da FGV, recuou 3,1 pontos em novembro, para 102,1 pontos, menor nível desde agosto de 2021 (98,7 pontos). Essa é a quarta queda consecutiva do índice.

Ainda nesta sexta (26), o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, volta a falar em evento, e os investidores acompanham com atenção, em busca de sinalizações para o passo da Selic – a próxima reunião do Copom acontece dias 7 e 8 de dezembro e, até aqui, é esperada outra alta de 1,5 ponto porcentual, o que leva a taxa de juros a 9,25%. 

O Banco Central divulgou que o estoque de crédito total subiu 1,5% em outubro ante setembro, para R$ 4,497 trilhões. As concessões no crédito livre caíram 1,2%. A participação do crédito no Produto Interno Bruto (PIB) alcança 53,2% em outubro, menor que os 53% de setembro.

Ontem, a Câmara dos Deputados aprovou o Auxílio Brasil. A PEC dos Precatórios, que deve ser a fonte de pagamento do benefício, aguarda votação na CCJ do Senado e, depois, apreciação pelo plenário. A expectativa é que isso ocorra na semana que vem.  

Exterior

As bolsas americanas funcionam em horário reduzido hoje, devido à Black Friday. O tradicional dia de promoções é ofuscado pelo derretimento global dos mercados, por conta de uma nova cepa do coronavírus, identificada na África do Sul. 

A entidade Organização Mundial da Saúde (OMS) estuda declarar a nova cepa como uma “variante de preocupação”. Isso porque cientistas vêm afirmando que ela possui um alto número de mutações, que podem torná-la mais transmissível e permitir que ela não responda às vacinas existentes. 

O clima é de cautela, com a ameaça de novas restrições. O Reino Unido já anunciou a imposição de barreiras aéreas. Por consequência, as commodities recuam com força, com petróleo caindo mais de 5% e minério de ferro mais de 6% em Dalian (China). O ouro, ao contrário, sobe.

Ibovespa: ações

As ações do Suzano (SUZB3) lideram as altas no Ibovespa nesta sexta. Por volta das 14h07, os papéis da empresa subiam 0,26%.

Taesa (TAEE11) é a segunda entre as maiores altas. Esta opera com variação positiva de 0,22%.

Dólar

O dólar tem alta de 0,34%, a R$ 5,5854, por volta das 14h07.

O dólar à vista já devolveu quase toda alta da manhã, com mínima há pouco a R$ 5,5813 (0,29%) no mercado à vista. De acordo com a Agência Estado, o mercado de câmbio realiza lucro intradia após subir mais cedo a R$ 5,6629, porque o momento é de cautela. No exterior, o dólar não é o porto seguro hoje e recua ante moedas principais, porque os investidores estão buscando proteção em outros ativos, como ouro, Treasuries e iene.

*Com Agência Reuters e Agência Estado